Crítica | Ao cair da noite (It Comes at Night)

Ao cair da noite” não é um filme original, mas é muito competente no que pretende apresentar. No longa uma família vive em uma casa isolada onde tenta sobreviver. Aparentemente o mundo foi destruído por causa de um vírus, mas não são apresentados detalhes sobre o houve. O mais próximo de informações sobre o ocorrido é sugerido através da metáfora visual com imagens do quadro “The Triumph of Death“. O provável é que nem mesmo os personagens saibam bem o que aconteceu.

Quando um homem estranho tenta entrar na casa, a família precisa decidir o que fazer com ele. Primeiro o rapaz é preso, depois ele conta que está apenas procurando por abrigo para sua mulher e filho. Será que ele está dizendo a verdade? Ajudar ou não? Assim como na série Walking Dead, o interessante do filme é analisar o comportamento humano diante de um “apocalipse” onde os próprios seres humanos são a principal ameaça.

O filme do diretor Trey Edward Shults faz um estudo sutil sobre o comportamento humano ao misturar drama com suspense criando um clima de tensão bem interessante. A fotografia de Drew Daniels explora bem o ambiente, principalmente a casa onde os personagens moram, na maioria das vezes com pouca luz e um ar de claustrofobia. A câmera se move lentamente na escuridão enquanto o espectador, assim como os personagens, tentam enxergar alguma coisa nas sombras. Não existe nada mais assustador do que a nossa própria imaginação, então ao mostrar pouco coisa esse poder da sugestão funciona bem criando um clima de mistério e suspense.

Uma história simples que só funciona graças ao incrível trabalho do elenco. Os atores entregam ótimas interpretações focando em pequenos detalhes corporais, como os olhares, para compor seus personagens. A fotografia ajuda nesse quesito ao explorar bem em closes nos rostos do elenco. O roteiro escrito pelo próprio diretor dá espaço para os personagens – 6 no total – serem construídos sem muitas informações expositivas. A personalidade de cada um é explorada aos poucos através de suas atitudes. O convívio entre eles é examinado para criar uma tensão psicológica. Será que todos estão dizendo a verdade?

A trilha sonora de Brian McOmber não cria um clima artificial e sim ajuda a compor a tensão e suspense das cenas de forma orgânica. Outro elemento clichê de filme de suspense e terror que o longa utiliza bem são os sonhos do protagonista. Mas ao invés de serem usados para sustos fáceis, esses sonhos apresentam para o espectador os medos do personagem principal.

Já a montagem – feita pelo próprio diretor junto com Matthew Hannam – dá um ritmo lento ao longa, que aos pouco vai aumentando e criando o clima de suspense do filme. Dessa forma o espectador é surpreendido quando algo mais tenso acontece no meio da calmaria e fica desnorteado sem saber exatamente o que está acontecendo, assim como os personagens.

Ao cair da noite” é um filme sutil e que não está interessado em apresentar muitos detalhes sobre a trama. Quando menos informações, maior o mistério. O longa está mais interessado em fazer um estudo do comportamento humano diante de um tipo de “apocalipse”. Os personagens são bem explorados e é criado um suspense bastante tenso, simples e muito eficiente. O diretor Trey Edward Shults mostra muito talento. Esse é apenas o seu segundo trabalho no cinema, mas ele mostra que com um roteiro simples é possível criar uma história interessante, inteligente e criativa, ainda que não seja totalmente original.


Uma frase: – Paul: “Se você estiver mentindo, vou te matar” (falando para Will)

Uma cena: Quando o cachorro da família sai correndo latindo dentro da floresta.

Uma curiosidade: O quadro que aparece no início do filme se chama “The Triumph of Death” ( O Triunfo da Morte), criado em 1562 pelo artista Pieter Bruegel, o Velho.


Ao cair da noite (It Comes at Night)

Direção: Trey Edward Shults
Roteiro: Trey Edward Shults
Elenco: Joel Edgerton, Christopher Abbott, Carmen Ejogo, Riley Keough, Kelvin Harrison Jr, Griffin Robert Faulkner e David Pendleton
Gênero: Horror, Mistério
Ano: 2017
Duração: 91 minutos
Graus de KB: 1!Joel Edgerton e Kevin Bacon estiveram juntos em “Aliança do Crime” (2015)

Analista de sistemas nascido em Salvador (BA) em 1980, mas atualmente morando em Brasília (DF). Cinema é sem dúvidas o meu hobby favorito. Assisto a filmes desde pequeno influenciado principalmente por meus pais e meu avô materno. Em seguida vem a música, principalmente rock e pop.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *