A Nostalgia Era Melhor Antigamente: Superamigos – Como Era Verde a Minha Gotham!

A Nostalgia Era Melhor Antigamente: Superamigos – Como Era Verde a Minha Gotham!

Seja bem vindo à coluna A Nostalgia era Melhor Antigamente, na qual eu covardemente analiso histórias escritas em outro contexto e aponto incongruências inaceitáveis em gibis sobre heroínas brasileiras com mucosas nasais flamejantes.

No episódio de hoje veremos que a progressão funcional nas indústrias Wayne está diretamente ligada à beleza física e descobriremos que a melhor maneira de extinguir fumaça é com chamas.

Superamigos – Como Era Verde a Minha Gotham

História: E. Nelson Bridwell

Desenhos: Romeo Tanghal

Arte-final: Vince Coletta

Cores: Jerry Serpa

Publicado no Brasil em Superamigos 37 (2ª série), Editora Ebal

Nota: dedico este texto ao querido Guilherme Kroll, que me indicou essa maravilhosa pérola quadrinística no Twitter.

Nossa história começa com o milionário Bruce Wayne dando boas vindas a estagiários de diversas partes do mundo, que vieram conhecer a sede das empresas Wayne graças a um agressivo plano de cargos e salários que lhes permite saltar de estagiários direto para gerentes.

Na minha época de estagiário eu não era capaz de gerenciar nem a máquina de xerox

Dentre as estagiárias/futuras gerentes está a brasileira Beatriz da Costa, para quem Bruce prevê um grande futuro como executiva pela frente, graças à sua competência, inteligência e visão de negócios.

…ou talvez ele só tenha achado ela bonita mesmo

Machismo e iminente processo de assédio sexual à parte, vale notar que Beatriz também não colabora no quesito sagacidade, eis que acredita que o herdeiro da fortuna Wayne tem um império industrial por ser muito inteligente e não por ser, bem, o herdeiro da fortuna Wayne.

Se ele herdou um império industrial foi porque ele MERECEU

No trajeto para o hotel após se despedir do bilionário assediador, Beatriz se depara com um outro malfeitor: o Polegar Verde. Usando sua habilidade de gerar instantaneamente os mais diversos tipos de plantas a partir de sementes especiais, o vilão cria uma imensa árvore que lhe permite alcançar um apartamento cheio de obras valiosas.

Tendo, é claro, o cuidado de decorá-la com enfeites de Natal, pois nada representa mais o espírito natalino que o furto de obras de arte

Depois de gerar uma árvore de mais de vinte metros à vista de todos no meio da cidade, o Polegar Verde decide entrar no apartamento de forma discreta, utilizando uma fruta especial capaz de silenciosamente cortar o vidro da janela.

Eu teria arremessado um coco na janela mesmo

Mas não há o que temer, afinal Beatriz da Costa é secretamente Fúria Verde, a heroína brasileira com habilidades especiais como alterar as próprias roupas, projetar alucinações e escarrar um jato verde do nariz.

Não, sério mesmo

Com a ajuda da sua poderosa coriza, Fúria Verde voa até a janela para flagrar o Polegar Verde em pleno furto. Dentro do apartamento, no entanto, um outro herói já aguarda a entrada da dupla, o que causa profunda estranheza ao vilão.

Tá certa a desconfiança, muita cara de flagrante preparado isso aí

O curioso é que a história não dá qualquer explicação para isso. Será que o Batman estava lá dentro também para furtar as obras de arte? Será esse o segredo da fortuna Wayne?[1]

Para escapar da dupla de heróis, o Polegar Verde utiliza uma fruta capaz de gerar uma cortina de fumaça, que a brasileira rapidamente extingue com seu sopro de chamas.

Nada melhor que chamas para extinguir fumaça

Enquanto nossa heroína faz sua parte para aumentar o aquecimento global, o vilão consegue fugir e imediatamente passa a planejar o próximo roubo, que será no Salão da Justiça.

Só para enfatizar, caso não tenha ficado claro: o vilão que optou por fugir para não ter que encarar o Batman e a Fúria Verde decidiu que um bom lugar para assaltar em seguida é a sede da equipe dos Superamigos, local onde se encontram os heróis mais poderosos da Terra.

Com tanta inteligência ele tem potencial para ser vice presidente das indústrias Wayne

Simultaneamente, Batman e Fúria Verde decidem ir ao Salão de Justiça perguntar aos demais heróis se eles têm informações sobre o Polegar Verde. Só que apenas o Super Homem e os Super Gêmeos estão na casa, de modo que eles decidem convocar também Mulher Maravilha, Aquaman e Robin para virem pessoalmente responder a uma pergunta que poderia muito bem ser feita em uma ligação.

Sem contar que tudo isso me parece uma trabalheira muito grande para coletar informações sobre um mero ladrão de apartamentos, mas se a pandemia me ensinou uma coisa foi que às vezes um contato presencial faz falta mesmo.

Enquanto isso, o Polegar Verde dá início à execução do seu plano, mas suas ações são descobertas graças à super audição do Super Homem e à presença de espírito do Batman, que prontamente lembrou ao Super Homem que ele tem visão de raios X.

Surpreendido pela chegada dos Superamigos, o vilão cria plantas-canhão que disparam balas-sementes facilmente suportadas pelo Super Homem, defletidas pela Mulher Maravilha e derretidas pela Fúria Verde.

Os demais ficaram na base do cada um por si mesmo

A luta prossegue com o Polegar plantando suas sementes em terra do planeta Krypton que por acaso ocorre de estar ali em um bucólico jarrinho, criando cipós que prendem os Super Amigos.

Não consigo pensar em um lugar melhor para guardar amostra de solo de um planeta destruído em uma explosão radioativa algumas décadas atrás

O Polegar Verde é finalmente derrotado quando a heroína brasileira usa seu poder de criar alucinações para fazê-lo acreditar que venceu a luta. Não fica realmente claro por que heróis tão poderosos precisam primeiro enganar o vilão para só então detê-lo, então me parece que o propósito era só acrescentar humilhação à derrota mesmo.

Não que um sujeito chamado “Polegar Verde” necessite de mais humilhação

Fúria Verde então retoma à sua identidade de Beatriz da Costa e é convidada para dar seguimento ao futuro processo de assédio sexual em um almoço a dois com Bruce Wayne. A ironia é que a dupla se reencontra em suas identidades secretas, sem sequer desconfiar que acabaram de ter uma aventura juntos.

Quero dizer, Beatriz não sabe de Bruce Wayne, mas e o inverso? Certamente não fugiu ao olhar observador do Batman o fato de que Beatriz e Fúria Verde são brasileiras, chegaram ao mesmo tempo em Gotham, têm a mesma altura, são fisicamente idênticas e questões como cor do cabelo e dos olhos não são nada para uma heroína cujos poderes envolvem causar alucinações.

Sem mencionar uma complexa e avançada tecnologia chamada “peruca”

Senhoras e senhores, o maior detetive do mundo.

[1] não confundir com o segredo do morcego.
Lionel Leal

Lionel Leal

Canto como Lionel Messi, jogo bola como Lionel Richie.

5 comentários sobre “A Nostalgia Era Melhor Antigamente: Superamigos – Como Era Verde a Minha Gotham!

  1. E essa Fúria Verde começou a atuar como super heroína na mesma cidade que Batman sem que ele resolvesse investigar? Ela também atuou junto com os Super Amigos, entrou na base deles, e ninguém se deu eu trabalho de verificar se ela realmente era aliada?

  2. Fúria verde solta chamas pela boca e impurezas pelo nariz em um combate contra um cara q claramente representa o meio ambiente… Deve ser parente de Salles

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: