Crítica | Os Rejeitados (The Holdovers)

Crítica | Os Rejeitados (The Holdovers)

O filme “Os Rejeitados” apresenta a nova parceria entre o diretor Alexander Payne e o ator Paul Giamatti desde “Sideways”, de 2004. Nesse novo projeto, o cineasta volta ao ambiente escolar que já serviu de palco para “A Eleição” de 1999. Giamatti agora dá vida a um professor mal-humorado que é obrigado a permanecer no colégio no recesso de fim de ano para cuidar de um grupo de alunos que não tem para onde ir.

A história se passa nos anos 1970, isso faz com que Alexander Payne aproveite para emular a época através da parte técnica, filmando “Os Rejeitados” como se fosse feito no período. Isso fica visível na fotografia e é muito bem explorado através da trilha sonora, utilizando canções da época que fogem dos clichês na maior parte do tempo.

Além de Paul Hunham, o professor e protagonista interpretado por Paul Giamatti, temos outros dois personagens principais que compõem a trama de “Os Rejeitados”. O primeiro é o estudante Angus Tully (Dominic Sessa), que tem uma relação difícil com a mãe. Ela prefere passar o Natal com o novo marido e deixar o filho sozinho no colégio. A outra é Mary Lamb (Da’Vine Joy Randolph), a chefe de cozinha da escola e que perdeu o filho recentemente, sendo que ele também estudava na instituição.

Por meio desses três personagens, o roteiro de David Hemingson explora o tema da saúde mental através de perspectivas diferentes. A mãe que perdeu o filho talvez seja fácil de identificar, no entanto Da’Vine transforma Mary em uma mulher multidimensional e, mesmo com pouco tempo em tela, ela sempre rouba a cena quando está presente. A relação entre Paul e Angus é mais clichê, onde professor e aluno vivem algo que faz um paralelo com pai e filho. Felizmente o argumento de Hemingson explora muito bem a amargura do senhor Hunham e o rancor do jovem Tully.

Inicialmente a trama se passa apenas dentro do colégio, mas aos poucos surgem necessidades de deixar o local e assim o filme inclui outros elementos. Um deles é o fato da história se passar na época do Natal, o que acrescenta uma boa reflexão sobre o período de festas que normalmente é associado à alegria. No entanto, a data pode gerar solidão e melancolia. Outro elemento é o road movie, quando temos uma viagem de carro que adiciona ótimos momentos para a narrativa.

Dessa forma, através desses elementos o filme desenvolve muito bem os personagens, adicionando muitas camadas. É justamente através da relação entre eles, principalmente Paul e Angus, que “Os Rejeitados” encontra seu diferencial.


Uma frase: – Angus Tully [para Paul Hunham]: “Ficar aqui com você já é uma grande detenção!”

Uma cena: A festa de Natal na casa de Lydia.

Uma curiosidade: No dia da filmagem da cena que Angus liga para casa, Dominic Sessa errou porque não sabia como discar e tiveram que lhe mostrar como. Não ocorreu a ninguém que ele nunca tivesse usado um telefone com disco rotativo antes.


Os Rejeitados (The Holdovers)

Direção: Alexander Payne
Roteiro: David Hemingson
Elenco: Paul Giamatti, Da’Vine Joy Randolph e Dominic Sessa
Gênero: Drama, Comédia
Ano: 2023
Duração: 133 minutos

Ramon Prates

Analista de sistemas nascido em Salvador (BA) em 1980, mas atualmente morando em Brasília (DF). Cinema é sem dúvidas o meu hobby favorito. Assisto a filmes desde pequeno influenciado principalmente por meus pais e meu avô materno. Em seguida vem a música, principalmente rock e pop.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *