Review | O Assassinato de Gianni Versace – American Crime Story

Após o gigantesco sucesso da primeira temporada de American Crime Story, tendo como foco o julgamento do astro O.J. Simpson, acusado de assassinar sua esposa, todos esperavam ansiosamente por outra história. Era de se imaginar que uma segunda temporada estava por vir, mas o que poderia ter o mesmo impacto do furor midiático que foi a fuga/ julgamento de O. J. assistido ao vivo por milhões de pessoas em todo o mundo?

Quando foi anunciado que a segunda temporada de ACS focaria o assassinato do estilista Gianni Versace, um misto de preocupação e indignação tomou conta do público. A família Versace publicou uma nota de repúdio a série, que ainda estava em produção, afirmando ser muito doloroso reviver aqueles momentos e que nenhum membro era a favor de tornar isso ainda mais exposto. Ainda assim, as produções seguiram em frente, contanto com Edgar Ramirez como Ganni Versace, Penelope Cruz no papel de Donatella Versace, Rick Martin como Antonio D’Amico companheiro de Versace mas o destaque absoluto da série ficou por conta de Darren Cris interpretando o psicopata Andrew Cunanan.

No dia 17 de janeiro de 2018 a série foi lançada no canal FX, com um total de 9 episódios. O sucesso esperado não veio, ao contrário, uma chuva de críticas negativas entoando o coro daqueles que gostariam de ver mais a respeito de Versace. O público não foi enganado. A série nunca prometeu falar da biografia do estilista ou contar mais a respeito da sua história. A segunda temporada de ACS teve como subtítulo O Assassinato de Gianni Versace, ou seja, o crime era o foco e não a vida de Versace.

Com isto muito claro, posso dizer que ACS se reinventou. Com um formato totalmente diferente da primeira temporada, traz uma figura terrivelmente interessante: Andrew Cunanan, o homem que assassinou Gianni Versace. A partir de uma  história não linear, partimos do crime que dá nome a temporada, depois voltamos no tempo aos poucos, cada episódio um pouco mais, até conhecer a fundo Andrew. Embora este recurso de caminhar entre passado e futuro pareça deixar a série mais lenta, é de fundamental importância para entendermos melhor todas as motivações que levaram Andrew a cometer o crime.

Andrew Cunanan é o verdadeiro protagonista da série. Quando chegamos ao ultimo episódio, depois de conhecermos a fundo tudo que ele viveu, podemos entender como tudo culminou na morte de Gianni. Não há justificativas para o ato, mas conseguimos ver de forma mais clara o funcionamento da mente deste psicopata. A crença de ser alguém especial (e o medo de não ser), as frustrações e o uso do seu alto Q.I para tornar-se aquilo que sempre quis ser, embora nunca o fosse. Mentiroso, impulsivo, sádico, solitário, Andrew matou pessoas que amava e outras que apenas estavam em seu caminho. Viveu um mundo onde a homossexualidade precisava ser escondida e tudo que envolvia este universo era considerado fora da prioridade. Não é a toa que Andrew agiu impunimente durante um tempo pois a polícia não dava importância a casos onde assassinos e vítimas eram homossexuais. Toda esta trajetória de Andrew, unida aos poucos momentos onde temos como foco Gianni, tornam ACS uma série linear em qualidade, mostrando como uma produção sensível e cuidadosa, pode tornar ainda mais humano um crime tão brutal, não apenas uma curiosidade mórbida a respeito da vida de celebridades.



O Assassinato de Gianni Versace – American Crime Story

Criado por: Ryan Murphy
Emissora: FXNetflix
Elenco:  Edgar Ramírez, Darren Criss, Ricky Martin, Penelope Cruz
Ano: 2018

2 thoughts on “Review | O Assassinato de Gianni Versace – American Crime Story”

  1. Ainda não terminei a série, mas o assassinato de Gianni Versace, pelo que tenho visto, ocupa segundo plano na série. O que interessa é o relato da história de Andrew Cunanan. Darren Criss está ótimo e merecedor de todos os prêmios que conquistou pela sua atuação nesta série.

    1. Isso mesmo! O problema é que uma parte do público queria ver mais a respeito de Gianni e não entendeu a proposta da série. Eu adorei do jeito que foi.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *