Crítica | Vingança (Revenge, 2017)

Como todo exemplar do exploitation, não devemos levar Vingança a sério. Não há dúvidas de que os acontecimentos aqui são absurdos, mas neste caso eu diria que quanto mais absurdo melhor.

As coisas demoram para empolgar. O primeiro ato é um tanto errático, mas nada grave. Jen e Richard chegam de helicóptero em uma mansão no deserto. Os dois são amantes, ela é mais nova do que ele e pouco mais é revelado. Algum tempo depois dois amigos de Richard aparecem fortemente armados. Aparentemente, os três irão caçar. Depois de uma noite regada a bebida, as coisas dão errado de um jeito que prefiro não revelar e Richard resolve jogar ela de um penhasco. Simples assim.

O que eles não sabem é que Jen tem o corpo fechado. Agora ela irá atrás de vingança, nem que seja a última coisa que faça. Vingança é uma experiência visualmente acima da média e repleta de sangue. Algumas cenas são bem viscerais, passíveis até de causar aflição em boa parte do público. A trilha sonora eletrônica ajuda a empolgar e a aumentar a tensão. Muitas sequências são trabalhadas de uma forma que o suspense atinja o limite do suportável. A diretora mostra competência para explorar o cenário vasto e desolado, criando momentos intensos.

Vingança peca um pouco por não oferecer tantas surpresas. Sabemos de antemão quem irá permanecer de pé no final da história. E é melhor não pensar na quantidade de situações praticamente impossíveis de ocorrer no mundo real. Relevando algumas coisas, fica fácil aproveitar essa jornada estilizada de ódio e brutalidade.

Misturando humor negro, muito sangue e uma mulher querendo fazer justiça com as próprias mãos, Vingança tem elementos necessários para agradar ao público interessado nesse gênero peculiar.



Vingança, cartazVingança (Revenge)

Direção: Coralie Fargeat
Roteiro: Coralie Fargeat
Elenco: Matilda Anna Ingrid Lutz, Kevin Janssens, Vincente Colombe
Gênero: Ação. Horror
Ano: 2017
Duração: 108 minutos.
Info: IMDb

Fã de sci-fi que gosta de expor suas opiniões por aí! Oinc!

3 thoughts on “Crítica | Vingança (Revenge, 2017)”

      1. Finalmente assisti e a única coisa que achei absurda nesse filme foi o fato da menina andar descalça no deserto, o resto tá de boa uahuahuha

        Divertido demais, a cena no corredor é pura tensão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *