Anew: The Distant Light (Pre Alpha)

Seguindo numa linha muito semelhante a outros games indies que fizeram grande sucesso recentemente como Limbo e Brothers: A Tale of Two Sons, Anew: The Distant Light é (vai ser, pra ser mais exato) um jogo de ação e exploração – podendo categorizá-lo no subgênero que ficou conhecido como Metroidvania – em um mundo aberto.

Nele você será um jovem garoto equipado até os dentes, incluindo aí até um jetpack a la Boba Feet, que estará explorando (e sobrevivendo) em uma lua, distante 20 anos luz da Terra, que é habitada por toda sorte de aliens monstruosos que querem acabar com a sua raça. O vídeo abaixo é um trailer da versão Pré-Alpha (sim, já chegamos neste ponto) do game:

Este é um estilo de jogo que muito me agrada, à medida que você vai avançado vai ganhando novas armas e equipamentos e, pelo que o trailer demonstra, parece ter uma jogabilidade muito fluída além dos belíssimos gráficos e cenários. Veja no gif abaixo o nosso intrépido e mortal garotinho deslizando mais que Subzero.

Anew: The Distant Light – Cave Golem Takedown

Anew: The Distant Light está sendo desenvolvido pela Resonator Games do Steve Copeland e Jeff Spoonhower. Ambos são desenvolvedores já tarimbados (sempre quis usar tarimbado em um texto) e que trabalharam em títulos como Boderlands 2, Bioshock 2, Command and Conquer, Uncharted: Golden Abyss, Star Wars: Empire at War, Saints Row 1-4, Lord of the Rings: Battle for Middle Earth, dentre vários outros. A trilha sonora, por sua vez, está nas mãos premiadas (D.I.C.E., G.A.N.G.) que sonorizaram os games Lara Croft: Temple of Osiris, Dead Island 2 e Star Wars: The Old Republic.

Confira algumas imagens promocionais de Anew: The Distant Light:

Este slideshow necessita de JavaScript.

Anew: The Distant Light será lançado para PC (e provavelmente para os consoles também) ainda sem data definida, mas você pode acompanhar o desenvolvimento no Twitter, Facebook ou Youtube.

Queria ser astronauta mas tudo o que consegui na vida foi cair de um carro em movimento, fissurar meu crânio andando de skate e zerar Alex Kid in The Miracle World no Master System. Nas horas vagas vejo filmes que ninguém conhece, mato monstros que não existem e torço por um time que nunca vence.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *