Crítica | Space Jam: Um Novo Legado

Crítica | Space Jam: Um Novo Legado

Space Jam: Um Novo Legado” é uma sequência do filme “Space Jam”, de 1996, estrelado por Michael Jordan. Na versão de 2021 entra outro jogador de basquete como protagonista: LeBron James. A premissa de ambos é parecida e envolve como clímax uma partida de basquete de alto risco onde a estrela se junta aos Looney Tunes.

A diferença é que agora é LeBron quem precisa da ajuda de Pernalonga e sua turma para vencer a partida e salvar o seu filho, ao contrário do longa de Jordan em que os personagens animados que necessitavam das habilidades do astro para salvá-los dos alienígenas. A questão é que “Space Jam: Um Novo Legado” repete os mesmo erros do filme de 1996 e apela para referências pop, principalmente às franquias da Warner, para salvar sua obra cinematográfica da mediocridade.

Em “Space Jam: Um Novo Legado” o astro LeBron James é “capturado” junto com seu filho para dentro do computador da Warner, chamado de serververse, por um algoritmo de inteligência artificial chamado Al. G. Ritmo (interpretado por Don Cheadle). O objetivo do vilão é usar a imagem do jogador para promover seu algoritmo, então para isso faz o filho dele de refém e o desafia para uma partida de basquete.

O detalhe é que não serão usadas as regras normais do esporte, mas sim uma versão de videogame criada por Dominic (Cedric Joe) – filho de LeBron – que lembra um pouco o game NBA JAM, onde os competidores podem dar saltos enormes, desafiar as leis da física e outras “maluquices” com estilo que valem mais pontos. Aí entra outra questão: a relação de pai e filho. Papai James não apoia o lado desenvolvedor de games do filho, ele prefere que o jovem siga seus passos no basquete, dessa forma “Space Jam: Um Novo Legado” explora diversos clichês sobre o tema de maneira bastante irregular.

A grande diversão do filme são as referências pop e a cena em que LeBron se junta ao Pernalonga para ir atrás dos outros Looney Tunes passando por dentro dos mundos das franquias da Warner é um dos pontos altos de “Space Jam: Um Novo Legado”, mas infelizmente esse recurso não se sustenta pelas quase duas horas de duração. Inclusive essa extensão faz com que a trama se torne arrastada sem motivo, como na cena da partida de basquete que de tão longa se torna cansativa.

Essa cena do jogo de basquete também é cheia de referências onde é possível ver diversos personagens do estúdio Warner Bros na platéia. Ficar observando isso é divertido, mas mostra o quão desinteressante o filme se torna, já que o que é visto no fundo se torna mais atraente do que a ação principal. Temos também piadas com os anos 1990, época do filme estrelado por Michael Jordan, com figurinos e músicas do período, mostrando que além de tentar se sustentar apenas com as franquias da Warner, “Space Jam: Um Novo Legado” tem consciência de que seus únicos atrativos são esses fan services.

É preciso dizer também que LeBron James não é tão carismático quanto Michael Jordan e nem tão conhecido, principalmente fora dos Estados Unidos. O próprio astro faz “piada” sobre o quanto jogadores tem problemas em atuar, então para compensar em uma parte do filme o vemos em animação. Mas infelizmente o roteiro é tão pouco inspirado, que nem mesmo um grande ator como Don Cheadle consegue construir um personagem que não seja apenas genérico.

Em síntese, “Space Jam: Um Novo Legado” é um filme mediano, que se sustenta em nostalgia e referências pop, mas que falha ao apresentar novos elementos interessantes que justifiquem a sua produção, tornando-se assim apenas uma obra cinematográfica ordinária.


Uma frase: – Pernalonga (para LeBron James): “Então você quer que eu, um coelho de desenho animado falante, jogue com você, um astro da NBA, em um jogo de basquete de alto risco?” [Vira para a câmera] Parece muito familiar.”

Uma cena: Lebron e Pernalonga em desenho viajando pelo serververse da Warner, onde vemos várias referências pop às franquias do estúdio.

Uma curiosidade: Os efeitos de luz nos personagens Looney Tunes foram feitos pela Industrial Light & Magic, o que torna esta a primeira vez que a empresa faz os efeitos de luz em personagens 2D animados em uma ação ao vivo e filme de animação desde “Uma Cilada para Roger Rabbit” (1988) 33 anos antes.


Space Jam: Um Novo Legado (Space Jam: A New Legacy)

Direção: Malcolm D. Lee
Roteiro: Juel Taylor, Tony Rettenmaier, Keenan Coogler, Terence Nance, Jesse Gordon e Celeste Ballard, história de Juel Taylor, Tony Rettenmaier, Keenan Coogler e Terence Nance
Elenco: LeBron James, Don Cheadle, Khris Davis, Sonequa Martin-Green, Cedric Joe, Jeff Bergman, Eric Bauza e Zendaya
Gênero: Animação, Comédia, Aventura
Ano: 2021
Duração: 115 minutos

Ramon Prates

Ramon Prates

Analista de sistemas nascido em Salvador (BA) em 1980, mas atualmente morando em Brasília (DF). Cinema é sem dúvidas o meu hobby favorito. Assisto a filmes desde pequeno influenciado principalmente por meus pais e meu avô materno. Em seguida vem a música, principalmente rock e pop.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: