Crítica | A Morte de Stalin (2017)

Baseado na premiada graphic novel dos franceses Fabien Nury (roteiro) e Thierry Robin (arte), o filme A Morte de Stalin retrata com humor as disputas internas do alto escalão do Partido Comunista, após a morte, em 1953, de Josef Stalin, um dos líderes mais temidos de toda a história. O clima de terror, conspiração e paranóia vivido pelo povo soviético naquele período é recriado no cinema com grandes pitadas de sátira, ironia e deboche.

O longa dirigido pelo cineasta britânico Armando lannucci — que também trabalha na série Veep da HBO — é ousado e até mesmo corajoso ao zombar de fatos reais e dolorosos de um dos regimes mais sangrentos da história mundial. E, para completar, os personagens são representados de maneira excessivamente caricata, pouco verossímil, aproximando-se do ridículo. O politicamente incorreto é o principal fio condutor dessa paródia.

Apesar das grandes atuações do elenco, o longa pode ser entediante para o espectador ávido por uma narrativa mais fluida, com diálogos mais concisos, piadas mais inteligentes e menos constrangedoras. As cenas são longas, quase teatrais, com muitos elementos e acontecimentos simultâneos. Destaque para os planos-sequência — muito bem coreografados — dos porões de tortura e fuzilamento dos opositores ao regime stalinista.

A Morte de Stalin, foto

O filme chama atenção também por escalar atores americanos e ingleses e não forçá-los a usar o sotaque russo para as interpretações. O trabalho do elenco, por vezes, lembra o do grupo de comédia britânico Monty Python. As melhores atuações, sem sombra de dúvida, ficam por conta de Steve Buscemi, por Nikita Khrushchev, e Simon Russel Beale, com seu Lavrentiy Beria — os principais personagens da disputa real pela sucessão de Stalin, vivido por Adrian McLoughlin.


Uma frase: – Beria: “Não confie em ninguém!”

Uma cena: Quando os camaradas de Stalin o encontram morto.

Uma curiosidade: O filme foi banido na Rússia em 23 de janeiro de 2018, dois dias antes de ser lançado. O Ministério da Cultura declarou: “O certificado de distribuição do filme A morte de Stalin foi retirado”. Um membro do conselho consultivo do Ministério da Cultura afirmou que o filme profana símbolos históricos, como o hino soviético, ordens e medalhas, e ainda disse que o marechal Zhukov é retratado como um idiota. Segundo o conselho, a divulgação do filme no 75º aniversário do fim da Batalha de Stalingrado (2 de fevereiro) seria “uma afronta aos veteranos da Segunda Guerra Mundial da Rússia”.


A Morte de Stalin, cartazA Morte de Stalin (The Death of Stalin)

Direção: Armando Iannucci
Roteiro:
Armando Iannucci, David Schneider, Ian Martin, Peter Fellows, Fabien Nury e Thierry Robin
Elenco: Adrian Mcloughlin, Simon Russell Beale, Jeffrey Tambor, Steve Buscemi, Michael Palin, Jason Isaacs e Andrea Riseborough
Gênero: Comédia, História
Ano: 2017
Duração: 107 minutos

Filha dos anos 80, a Não Traumatizada, Mãe de Plantas, Rainha de Memes, Rainha dos Gifs e dos Primeiros Funks Melody, Quebradora de Correntes da Internet, Senhora dos Sete Chopes, Khaleesi das Leituras Incompletas, a Primeira de Seu Nome.

One thought on “Crítica | A Morte de Stalin (2017)”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *