Mangá | Shimanami Tasogare

“Você pode me contar qualquer coisa, mas eu não vou perguntar.”

 

Quem sou eu?

Não é uma pergunta fácil mas pode ser definida simplesmente pelo nosso sexo, homem ou mulher? Será que isso realmente nos define?

Shimanami Tasogare segue pelo ponto de vista do nosso protagonista Tasuku Kaname, secretamente gay, e que acaba se envolvendo em um problema quando os amigos descobrem pornografia gay no histórico do celular dele. Nesse momento ele entra em colapso, diante do futuro tenebroso ele decide tentar suicídio, mas isso é interrompido quando conhece a mulher misteriosa chamada “Anonymous”.

Anonymous oferece ao nosso protagonista a seguinte frase: “Você pode me contar qualquer coisa, mas eu não vou perguntar”. Nesse momento em diante a vida de Tasuku muda por completo, quando é envolvido na ONG “Bando de Gatos” responsável pela restauração voluntária de casas antigas. Tasuku agora conhece pessoas com os mesmos dilemas que ele e acaba transformando a sua vida e a das pessoas ao seu redor.

 

 

É incrível como esse mangá trata de problemas na comunidade LGBTQ mantendo o realismo e sem precisar usar de estereótipos tão comuns em mangás. Os personagens são extremamente carismáticos e bem escritos e o mangá usa e abusa de recursos visuais para demonstrar sentimentos com uma arte impecável.A obra consegue introduzir personagens de vários gêneros diferentes de uma forma extremamente orgânica, e o drama de todos eles é totalmente construído de uma forma que você se vê preso a aqueles personagens e a vida deles.

Não é surpresa que o próprio autor, Yuhki Kamatani, se assumiu um assexual, o que enriquece e reflete bastante na obra.

 

 

Shimanami Tasogare é uma obra incrível com personagens cativantes e arte de encher os olhos, eu recomendo fortemente pra quem quer começar a se aventurar por mangás desse estilo ou se quiser entender um pouco mais sobre a comunidade LGBTQ.



Amante de waifus e tsunderes.

2 thoughts on “Mangá | Shimanami Tasogare”

  1. Ficou bom o texto.Tem futuro esse tal de Clint
    Os mangás (os mais populares pelo menos) realmente tem essa forma exagerada e estereotipada de representar qualquer um que não seja “Normal” (inclusive é uma das poucas coisas que desgosto em One Piece).Por isso quando tem um mais consciente nessa parte,ele se destaca bem em comparação com os outros.Vou colocar na lista pra ler.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *