Crítica | Operação Red Sparrow (Red Sparrow)

Baseado no livro de mesmo nome, escrito por Jason Matthews, o longa Operação Red Sparrow de 2h19min dirigido por Francis Lawrence é um repositório de clichês de filmes de espionagem, que tenta surpreender com uma sequência de reviravoltas acompanhadas de cenas de violência, sexo e tortura. O papel principal é de Jennifer Lawrence, que vive a bailarina russa Dominika Egorova, compelida por seu tio Ivan Egorov (Matthias Schoenaerts) a se tornar uma Sparrow – espiã do estado que utiliza técnicas de sedução para conseguir informações de seus alvos.

Francis Lawrence, que não é parente de Jennifer, também dirigiu a atriz na trilogia Jogos Vorazes, que ajudou a alavancar a carreira da talentosa protagonista deste novo filme — até por isso a expectativa inicial era de que fosse repetida a receita de sucesso da heroína girl power da geração millennials: Katniss Everdeen. Infelizmente, Operação Red Saparrow é um ponto fora da curva na trajetória de excelentes papéis estrelados por Jennifer Lawrence nos últimos anos. Apesar de atuar muito bem, sua personagem é tudo aquilo que nós mulheres temos combatido em termos de representação feminina da indústria cultural.

Dominika Egorova é sexualizada, manipulável, com motivações rasas — que quase sempre envolvem ou a fuga das investidas do tio ou sua paixão pelo agente da CIA Nate Nash (Joel Edgerton) — e uma mulher que se fortalece após ter sido violentada. Após testemunhar um assassinato e também a cometer um crime, com o pretexto de proteger e cuidar de sua mãe, a personagem é obrigada a ir para a escola de espiões Sparrow, que forma agentes por meio da humilhação sexual. Tudo isso acontece aparentemente nos dias atuais, mas com um conflito típico de filmes dos tempos da Guerra Fria, que é o enfrentamento entre russos e americanos.

Em muitos momentos do filme, o corpo de Lawrence é sexualizado, pelos figurinos e também pelos enquadramentos, e utilizado como recurso narrativo para justificar a sádica escola de agentes, cujos corpos pertencem ao estado, treinam para usar a beleza e a sedução na exploração da vulnerabilidade de seus adversários. Fora isso, a bailarina Dominika tem alguns poucos momentos em que consegue subverter esses clichês machistas, mais por conta da própria atuação de Jennifer do que pelo contexto da obra em si, a exemplo das cenas de tortura, que ajudam a contestar a suposta fragilidade atribuída à essência feminina.

Representação a ser combatida

Alguns críticos comparam a história de Dominika a da Viúva Negra — heroína da equipe dos Vingadores que deve futuramente ganhar um filme solo. Não surpreende que as pessoas enxerguem na protagonista de Operação Red Sparrow várias semelhanças com a origem de Natasha Romanoff. O pouco de sabemos do papel de Scarlett Johansson nos filmes da Marvel pode ser resumido em um atributo principal: sedução. Enquanto heróis homens e agentes secretos são valorizados pela inteligência e astúcia, as mulheres nesses papéis são quase sempre retratadas como objeto de desejo sexual, como se sua vocação ou super poder estivesse necessariamente relacionado ao seu corpo.

Esse modelo de representação feminina está ultrapassado e deve ser combatido, assim como a exibição de cenas de violência sexual inseridas com o objetivo de moldar o caráter de personagens femininas — recurso narrativo utilizado a exaustão em Operação Red Sparrow, sem o qual a protagonista poderia ter sido melhor desenvolvida, avançando a narrativa para além da superficialidade dos estereótipos misóginos, e ainda com a possibilidade de incentivar uma nova leva de longas do gênero com mulheres fortes e inspiradoras.


Uma frase: “Todo ser humano é um quebra-cabeça de carência. Se você virar a peça que falta, ele lhe contará qualquer coisa.”

Uma cena: A cena em que Dominika se apresenta no ballet Bolshoi.

Uma curiosidade: Para se preparar para o papel, Jennifer Lawrence fez balé e praticou um sotaque russo por quatro meses. A atriz passou três horas por dia durante quatro meses trabalhando com o instrutor de balé de Hollywood Kurt Froman.


Operação Red Sparrow (Red Sparrow)

Direção: Francis Lawrence
Roteiro:
Justin Haythe e Jason Matthews
Elenco: Jennifer Lawrence, Joel Edgerton, Matthias Schoenaerts, Charlotte Rampling, Mary-Louise Parker e Jeremy Irons
Gênero: Espionagem, Mistério
Ano: 2018
Duração: 139 minutos

Filha dos anos 80, a Não Traumatizada, Mãe de Plantas, Rainha de Memes, Rainha dos Gifs e dos Primeiros Funks Melody, Quebradora de Correntes da Internet, Senhora dos Sete Chopes, Khaleesi das Leituras Incompletas, a Primeira de Seu Nome.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *