Crítica | Sonhos Imperiais (Imperial Dreams)

Sonhos Imperiais traz a perspectiva de um homem devotado à sua família e que acaba de sair da cadeia, mas precisa dar um jeito de fazer pelo filho o que seus pais não quiseram fazer por ele. Ele não tem nada além de um carro quebrado, um futuro incerto como escritor e a luta para não retornar a vida criminosa.

O filme é surpreendente, traz uma perspectiva das ruas e por sorte o diretor teve muita sensibilidade para explicar bem a questão do dilema que o protagonista vive.  Durante o filme entendemos que a narração é na verdade os escritos de Bambi sobre o que estava passando, mas ainda que seja um filme com certo nível de violência, podemos apreciar seus pensamentos como algo quase mágico, como num sonho.

Bambi percebe que mudou, amadureceu porém tudo ao seu redor continua da mesma forma que há quatro anos. Tudo mudou, mas a sua vida não podia ser a mesma já que conheceu o seu filho Dayton.

Seu primeiro problema é como sobreviver. Ele foi criado para ser um soldado dentro do gueto, um gangster ensinado pelo tio Shrimp, um traficante e líder do grupo. Abandonado pelos pais aos 10 meses de vida, acabou criado por um dos um homens mais perigosos do bairro. Parte da família já estava envolvida com o crime e Bambi acabou seguindo o rastro.

Como um ser humano estigmatizado por uma das piores máculas da sociedade atual vai sobreviver no mundo que o quer afastado? Essa é a questão principal que o diretor Malik Vittal leva o espectador a pensar. O filme é de 2016 e vale a pena ser assistido. É muito bom ver a versatilidade de John Boyega interpretando um papel tão real de uma minoria diversas vezes invisibilizada pela sociedade.  


Uma frase: “No gueto, você carrega a verdade em seu coração, enquanto a realidade permanece escondida. Seu coração diz: “Não mate”. O gueto diz: “Mate”. Seu coração diz: “Pense antes de agir”. O gueto diz: “Reaja”. Mas você está sozinho quando uma dessas reações põe você atrás das grades, examinando cada pequena coisa na escuridão.

Uma cena: Bambi fugindo de um tiroteio com o filho e tentando manter o garoto afastado daquele momento enquanto isso.

Uma curiosidade: O filme foi exibido em Sundance 2014 mas só foi lançado em 2016.


Sonhos Imperiais (Imperial Dreams) 

Direção:  Malik Vitthal
Roteiro:   Ismet PrcicMalik Vitthal
ElencoJohn BoyegaRotimiGlenn PlummerDe’aundre BondsKeke Palmer
Gênero: Drama
Ano: 2016
Duração: 87 minutos

 

 

 



 

Uma alma com boas intenções que está metendo dança. Dizem.

One thought on “Crítica | Sonhos Imperiais (Imperial Dreams)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *