Top 5 | Episódios de Black Mirror

A POCILGA se reuniu e fez uma votação para escolher os 5 melhores episódios de Black Mirror. Como qualquer “eleição”, tivemos muitas “polêmicas” para chegar aos escolhidos. A cada novo votante a lista mudava, então cada um deles fez a diferença. A principal discussão era definir se determinado episódio era ou não “Black Mirror”. Em um universo de 19 episódios, digamos que a série não tem nenhum ruim. Mas acredito que nossa seleção é uma boa definição do que a série se trata.

O Top 5 foi montado a partir das listas dos porcolunistas: Ramon Prates, Bianca Nascimento, Mário Bastos, Dario Lima, Marcio Melo, Rafael Saldanha, Junio, Lionel Leal e Jotazêr. No final das contas foi muito divertido montar esse post colaborativo e espero que vocês gostem. Aproveitem para comentar quais os seus 5 episódios favoritos. Vamos a nossa lista:

5) White Christmas (S02E04)

Por Márcio Melo

Três episódios em um, o super “creepy” ou a pura essência de Black Mirror, assim podemos definir White Christmas que chegou como um especial de Natal, ou melhor, como um especial para acabar com os planos felizes do Natal de qualquer um.

Quando o episódio inicia em uma ‘cabana’ onde estão os personagens interpretados por Jon Hamm e Rafe Spall não tem como o espectador ter a real noção onde toda a história vai o levar. O que começou com uma simples “paquera” apoiada por um aplicativo ‘aparentemente’ inocente, desencadeia para uma série de conceitos onde a tecnologia vai ‘ajudar’, mais uma vez, a sociedade a extrair o pior do ser humano.

Muitos conceitos apresentados aqui foram revistos na 4º temporada de Black Mirror e, o próprio episódio tem conexões com outros das temporadas anteriores que servem para ampliar o universo de Black Mirror e também para fincar este como um dos melhores já exibidos em toda a série.

4) The Entire History of You (S01E03)

Por Lionel Leal

Os grandes episódios de Black Mirror são aqueles que extrapolam uma tecnologia já existente para mostrar como algo que a princípio parece bom — ou ao menos inofensivo — pode ser deturpado.

Nesse sentido, The Entire History of You é, talvez, um dos episódios que melhor funciona para apresentar novatos a essa série antológica: ele parte da sedutora ideia de um dispositivo que registra toda a nossa vida, fazendo com que qualquer memória possa ser acessada com uns poucos movimentos dos dedos – não muito diferente dos incontáveis registros em fotos e vídeos que mantemos hoje nas redes sociais -, mas não demora a mostrar as implicações negativas que poderiam advir daí.

Mesmo assim, o elemento tecnológico é usado apenas como pano de fundo, retratado de forma quase agnóstica, para mostrar que o problema não está na tecnologia per se, mas sim na natureza falha dos seres humanos que a usarão. Por conta disso, o episódio funciona muito bem como crônica social — tratando de temas como privacidade e relacionamentos — e como representação do que faz Black Mirror ser, bem, Black Mirror.

3) Be Right Back (S02E01)

Por Mário Bastos

Quem quer amar para sempre, afinal? Em “Be Right Back”, Hayley Atwell e Domhnall Gleeson, dois dos melhores atores de sua geração, entregam, com imensa habilidade artística, uma das melhores performances da série em um episódio particularmente curioso. Um que não questiona apenas os limites da vida e da morte, ou do dilema da eternidade como uma maldição. Charlie Brooker vai além e questiona o modelo romântico e a constituição das relações sociais no mundo moderno das redes, diante da perspectiva de ter o objeto de desejo eternamente ao seu lado. Algo que pode ser, enfim, um tormento maior que o de Sísifo.

2) White Bear (S02E02)

Por Junio

Black Mirror tem como maior fonte de inspiração e informação a realidade. A visão pessimista do autor nos mostra quais rumos estamos tomando e como estamos usando a tecnologia para nos destruir. O problema não é a ferramenta e sim a humanidade.

Em White Bear temos uma situação em que brincam com a percepção sobre o contexto enquanto assistimos uma pessoa sendo perseguida por alguém armado e encapuzado (carrasco). Outras pessoas estão filmando e assistindo através de aparelhos móveis.

A idéia é fazer com que nos solidarizemos com a pessoa perseguida e depois sentimos um choque ao saber a verdade por trás daquele ato: O intuito é punir e docilizar criminosos. White Bear é um lugar que funciona como o “jardim da lei”, o espetáculo é feito através da punição e transmitido no reality show. Em uma época em que justiça é confundida com vingança, esse episódio também reflete a nossa sociedade. Uma ponte que une séculos passados e a atualidade através das redes sociais e o poder que temos sobre outras pessoas, normatizando o absurdo para o entretenimento, como em vídeos de Instant Karma/Justice ou programas sensacionalistas que exploram tragédias.

1) San Junipero (S03E04)

Por Bianca Nascimento
Premiado com dois Emmys em 2017 — de “Melhor Filme Feito para Televisão” e o de “Melhor Roteiro em Minissérie”, o episódio 4 da 3ª temporada de Black Mirror se tornou o queridinho da maior parte dos fãs da série, por abordar uma história de amor entre duas mulheres com um surpreendente desfecho feliz. A antologia apresenta cenas com estética oitentista e, com muita sensibilidade, coloca em discussão temas como aceitação, empoderamento feminino, relacionamento interracial e homoafetivo. Trata ainda de questões relacionadas ao envelhecimento humano, à morte e à eutanásia, com uma trilha sonora deliciosamente nostálgica.


E para você caro leitor, qual o seu top 5? Comente 🙂

Analista de sistemas nascido em Salvador (BA) em 1980, mas atualmente morando em Brasília (DF). Cinema é sem dúvidas o meu hobby favorito. Assisto a filmes desde pequeno influenciado principalmente por meus pais e meu avô materno. Em seguida vem a música, principalmente rock e pop.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *