Review | XCOM 2: War of the Chosen

War of the Chosen é a última expansão de XCOM 2, jogo de táticas militares por turno desenvolvido pela Firaxis Games (obrigado por salvar esse CLÁSSICO, Firaxis) que foi lançado no segundo semestre de 2017. Essa expansão nos oferece novos inimigos, novos comportamentos para os jogadores, táticas, gerenciamento, diversão, desespero e se tornar um sifão de vida dragando muitas horas do seu tempo.

Uma breve introdução

O nosso planeta foi invadido por alienígenas e um grupo especial foi desenvolvido através da aliança entre as nações para impedir que terráqueos fossem escravizados e tivéssemos sondas introduzidas em nosso corpo.

Spoiler óbvio: Não conseguimos.

Vinte anos após a invasão, a Terra foi transformada em um local bem desenvolvido e passamos a conviver “em paz” com os aliens e eles criaram uma organização chamada Advent. Mas havia a suspeita de que algo errado estava acontecendo.

Então o que restou dos nossos heróis formou uma nova XCOM, que dessa vez funciona como um grupo de guerrilha com base itinerante. O novo grupo vai recrutar novos soldados e trabalhar com o apoio da Resistência.

Você é o Comandante, um líder nato e zica. O seu objetivo é gerenciar a partir da base o que vai acontecer com o futuro do planeta, do universo e quiçá da Bahia.

Mais que uma expansão, uma revisão

A Firaxis Games repetiu a fórmula de XCOM: Enemy Within, quando pegou todo o conteúdo de Enemy Unknown (o reboot da série que era conhecida como X-COM, com hífen) e adicionou novos itens que tornam a jogabilidade mais fluida e divertida. Mas após terminar o segundo jogo da nova franquia tive a sensação de que estava faltando algo, que o jogo se tornou muito mais corrido e não era possível passar mais horas se divertindo com os personagens que havia desenvolvido por horas e até criando uma afeição.

Por sorte a desenvolvedora do jogo se atentou ao meu choro e além de ter resolvido esse problema, o jogo conseguiu uma forma de me deixar preso numa cadeira jogando e engordando por mais tempo.

Meu velho leitor, vou fazer uma listinha:

  • Três novas facções foram adicionadas: Reaper, Skirmisher e Templar
  • Três novos chefões, os “Chosen” – Uma versão inimiga para cada nova facção
  • Um novo sistema de “vínculo” entre os soldados, que possibilitam novas táticas e outras formas de ataque em conjunto
  • Os personagens sofrem com o cansaço e traumas psicológicos
  • Zumbis (The Lost) – essa onda que nunca acaba
  • Mais o conteúdo adicional de XCOM 2: Anarchy’s Children, o primeiro DLC

Honestamente, é impressionante como essas adições (fora o que não listei) tornaram o jogo muito mais tático e divertido.

O pau tá quebrando lá fora, gerencie sua base

War of the Chosen tornou XCOM 2 muito mais instigante e vai exigir dos jogadores um pouco mais de atenção e paciência pra lidar com as situações. Além das táticas de batalha, e cuidado com as escolhas das habilidades de cada personagem, o jogo vai exigir um nível básico de gerenciamento para as situações dentro da nave e atenção para o que está acontecendo com o ambiente ao redor.

Através do mapa holográfico temos noção de onde ocorrem as missões, quais são os novos países que precisamos entrar em contato para ter suprimentos e ter cuidado para que nossa Resistência não seja aniquilada.

Além disso, precisamos lidar os líderes das novas facções que nos fornecerão soldados, missões e algumas vantagens que facilitam nossas habilidades, saúde, armas e suprimento. Esses líderes também oferecem novas missões que concedem promoções e bônus aos personagens. Mas tenha cuidado com que tipo de classe e o nível do soldado que estará enviando.

Pra que tudo corra bem, é necessário prestar atenção nas informações que são passadas pela equipe da Avenger (nosso quartel general): A Central passa as informações de campo, quais tipos de inimigos enfrentaremos e as prioridades das missões. A Engenharia cuida do desenvolvimento tecnológico e das armas enquanto que os Cientistas fazem as pesquisas e usam os cadáveres como matéria prima para novos utilitários.

Cuide dos seus soldados

Na lista citei que os personagens sofrem com o cansaço e traumas psicológicos. Não é brincadeira. Se em determinada missão o soldado sofre um dano causado por ácido, fogo ou gelo por várias vezes, em breve ele terá ataques de pânico quando estiver próximo a um agente causador desse dano. Assim como alguns soldados adquirem TOC quando recarrega a arma várias vezes numa missão.

É importante, principalmente no início, fazer rodízio para evoluir outras classes e soldados. O número de acertos causa evolução tanto na eficiência e eficácia quanto no tipo de comportamento em batalha. Além disso, é possível ganhar pontos que serão utilizados para comprar algumas habilidades da mesma classe e até de uma diferente.

Novas facções, The Chosen e Lost

Como já citei anteriormente, temos três novas facções: Reaper, Skirmisher e Templar. Essas facções tem uma história própria, mas suas habilidades são referentes às classes que já estão no jogo. São improvisações com muitas vantagens e alguns pontos fracos para equilibrar. Dependendo do seu modo de jogo e quais tipos de classes utiliza, esses três novos elementos fazem muita diferença.

Do lado inimigo tem os zumbis conhecidos como Lost. Eles surgem mais nas missões de campo das facções e sempre atacam em grupos.

Chosen são uma espécie de chefões, nemesis, que surgem durante algumas missões. Esses inimigos podem capturar seus personagens durante a batalha ou apenas dificultar seu progresso enquanto gerencia a Avenger. Com o passar do tempo eles aprendem como você joga enquanto estão treinando e até mesmo podem atacar sua base. Cada Chosen tem um conjunto de forças. fraquezas e imunidades. Assim como cada um é mais fraco contra um carácter de alguma facção específica.

 Vale a pena!

XCOM 2: War of the Chosen não é um jogo casual e nas primeiras horas vai demandar um senso de urgência do Comandante. O número de informações parece ser algo que tira o prazer do jogo, mas eu posso te garantir que estar atento a essas informações é o segredo para o sucesso e diversão. Costumo dizer que a minha diversão acaba quando terminam os maiores problemas.

No início você é o alvo. Com o passar do tempo e com surgimento das novas tecnologias do jogo, aquilo se torna um combate entre iguais. E depois? Depois você se torna o caçador. Quando sua equipe retorna para casa e nenhum soldado ou robô vai para a enfermaria é como se você tivesse dado um perfect em King of Fighters 97.

Lembre-se que é um jogo baseado em campanha militar. Vista seu uniforme e imerja na história enquanto se diverte DESTRUINDO alienígenas e seus aliados humanos entreguistas.

Hello, Commander!


Classificação:

 


XCOM 2: War of the Chosen

Plataformas: PC, Mac, PlayStation 4, Xbox One
Produtora: 2K
Desenvolvedora: Firaxis Games
Diretor:
 Jacob Solomon
Ano: 2017

 

 

 

 

 



 

Uma alma com boas intenções que está metendo dança. Dizem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *