Para ver e ouvir | Mesmo Se Nada Der Certo (2013)

Existem aqueles filmes que deixam como legado mais do que uma boa história ou alguns minutos de entretenimento e Mesmo Se Nada Der Certo (Begin Again, 2013), além de ser um belo filme, deixa uma trilha sonora composta de músicas que se destacam ao ponto de tornar esta obra uma daquelas para ver e ouvir.

Mesmo Se Nada Der Certo

Escrito e dirigido por John Carney, o filme traz na linha de frente Mark Rufallo, Keira Knightley e o vocalista da Maroon 5 Adam Lavine. O filme mostra a história de um produtor musical que está caindo em desgraça que, certa noite, conhece uma mulher que encanta, em um primeiro momento, os seus ouvidos. Ao mesmo passo que seu namorado começa a fazer sucesso, ela começa a conquistar o seu espaço com a ajuda (e insistência) do produtor musical interpretado por Rufallo.

O gênero musical, confesso, não me agrada muito. Estou falando daqueles filmes em que as pessoas se comunicam o tempo todo por músicas e não através de diálogos. Acho um porre. Mas existe este gênero que prefiro chamar de filmes com música, e assim como Na Natureza Selvagem, Mesmo Se Nada Der Certo deixa uma trilha sonora composta por canções lindas e inesquecíveis. Selecionei as 5 melhores (em minha opinião fecal):

Tell Me If You Wanna Go Home

Lost Stars

Coming Up Roses

A Higher Place

Like a Fool

 


  1. Já assistiu este? Gosta também das músicas?
  2. O diretor detonou a atuação de Keira e depois pediu desculpas. Sinceramente, achei ela muito bem no filme.
  3. No Spotfy tem a trilha completa: https://open.spotify.com/album/0ZQkueWQFxBrCsfkhxc4jg
Queria ser astronauta mas tudo o que consegui na vida foi cair de um carro em movimento, fissurar meu crânio andando de skate e zerar Alex Kid in The Miracle World no Master System. Nas horas vagas vejo filmes que ninguém conhece, mato monstros que não existem e torço por um time que nunca vence.

8 thoughts on “Para ver e ouvir | Mesmo Se Nada Der Certo (2013)

    1. Eu não gosto da versão com o Adam do Maroon em que ele faz aqueles falsetes chatos. A de Keira é a melhor.

  1. Esse filme tem um valor especial pra mim. Acredito que tanto as músicas como a condução da história em si são um dos vários destaques válidos de “Mesmo se nada der certo”. Um exemplo disso está na apresentação dos personagens principais. Trata-se de uma sequência muito interessante e poética que mostra o quanto a música é um personagem importante desse filme pois é ela que conduz o sentimento dos personagens. Por esse motivo, acho ridículo o fato do diretor ter criticado a atriz que dá um show a parte com seu personagem ao mesmo tempo cativante e sincero.

    1. Tempos depois ele chegou a pedir desculpas, mas realmente eu não entendi. Deve ter tido algum problema de ordem pessoal com ela ou frustração e resolveu descontar. Só que outras pessoas que trabalharam com a Keira elogiaram ela e eu também achei sua atuação muito boa, passou muita veracidade.

      Foi bem ridículo mesmo da parte do diretor.

      1. Também não entendo essas brigas entre diretor e elenco as vezes. Alguns pegam até mais pesado que isso, mas o chato é que a desculpa/reconciliação nem sempre parece verdadeira, sabe, tipo ele não quer perder oportunidade por conta disso. Só pode.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *