Crítica |Guerra (Krigen)

Indicado dinamarquês ao Oscar 2016 de melhor filme estangeiro, “Guerra (Krigen/A War)” é um filme de drama dinamarquês dirigido e escrito por Tobias Lindholm e protagonizado por Pilou Asbæk e Søren Malling. A obra conta a história de uma companhia militar dinamarquesa operando no Afeganistão em missão para garantir a “paz” dos civis locais e, ao mesmo passo, intervir contra o Talibã.

Na trama somos apresentados a Claus Pedersen (Pilou Asbæk), um oficial do exército que segue com seu pelotão enfrentando não apenas a ameaça constante do Talibã na região mas também resolvendo problemas ‘civis’. Trata-se de mais uma daquelas produções que conversam sobre tudo o que envolve àqueles que estão vivendo em uma guerra, ou melhor, em um ‘estado de guerra’.

A primeira metade do filme é muito interessante, mostra a guerra de uma maneira muito mais crível do que a maioria das produções do gênero, principalmente as hollywoodianas que quase sempre abraçam o melodrama e os feitos extraordinários e heróicos. Aqui a visão é muito mais realista e sem floreios, os solados sofrem não só com as ameaças constantes do ‘inimigo’ mas também com a distância de casa, a perda de amigos e até mesmo no processo complicado que é intervir na cultura local e “se meter” entre o cotidiano dos civis. Será que todo o tipo de ajuda que eles dão à comunidade serão benéficos a eles? E será que todo o auxílio que eles (os civis) realmente precisam são dados ou os interesses pessoais tem maior peso nas decisões dos militares?

Guerra (Krigen / A War)

Na metade final da trama, após uma operação militar controversa, as coisas não saem muito bem e existe uma virada na história: Sai filme de guerra entra filme de tribunal. A quebra no ritmo é sentida, ainda que as discussões levantadas a partir dessa virada sejam bastante interessantes e contundentes.

Não é uma obra imperdível, mas vale pela discussão a respeito da guerra, direitos humanos e sobre quem são as verdadeiras vítimas de todo esse conflito. Não deve levar o Oscar 2016 de melhor filme estrangeiro, mas tem em sua indicação um reconhecimento merecido por tudo o que representa.


kevin-bacon-3

Uma frase: Você não pode imaginar o que significa estar do lado de lá!

Uma cena: Claus botando um dos seus filhos para dormir vendo seus pés descobertos e lembrando-se automaticamente de uma situação no Afeganistão.

Uma curiosidade: Quase todo elenco do filme é composto por soldados dinamarqueses (de verdade) que foram enviados para o Afeganistão.

..

 


Guerra (Krigen)Guerra (Krigen / A War)

Direção: Tobias Lindholm
Roteiro: Tobias Lindholm
Elenco: Pilou Asbæk, Tuva Novotny, Dar Salim , Søren Malling, Charlotte Munck, Dulfi Al-Jabouri, Alex Høgh Andersen, Phillip Sem Dambæk e Jakob Frølund. 
Gênero: Drama, Guerra.
Ano: 2015/2016
Duração: 115 min
Graus de KB: 2 –  Pilou Asbæk trabalhou com Benedict Cumberbach em A Informante e Kevin Bacon fez A Aliança do Crime com Benedict.

Queria ser astronauta mas tudo o que consegui na vida foi cair de um carro em movimento, fissurar meu crânio andando de skate e zerar Alex Kid in The Miracle World no Master System. Nas horas vagas vejo filmes que ninguém conhece, mato monstros que não existem e torço por um time que nunca vence.

2 thoughts on “Crítica |Guerra (Krigen)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *