Crítica | Homem-Aranha: Através do Aranhaverso

Crítica | Homem-Aranha: Através do Aranhaverso

Homem-Aranha: Através do Aranhaverso” é uma sequência que eleva a experiência apresentada no primeiro filme da franquia – vencedor do Oscar – a um novo patamar. Com uma trama ainda mais empolgante e visualmente deslumbrante, por mais absurdo que possa parecer dizer isso, esta produção pode ser considerada um passo além do seu antecessor.

A história nos leva a uma nova jornada com Miles Morales, o Homem-Aranha do Brooklyn, que é lançado em uma viagem através do Aranhaverso. Nessa jornada, ele se encontra com uma equipe de Aranhas de diferentes realidades, todos unidos para proteger a existência do Multiverso. A trama é habilmente construída, explorando temas atemporais como família, sucesso, sonhos e amizades, adicionando uma camada emocional profunda à narrativa.

Uma das grandes conquistas de “Através do Aranhaverso” é a expansão da história de Gwen Stacy, dublada por Hailee Steinfeld. As cenas entre Gwen e seu pai, Capitão Stacy (Shea Whigham), são especialmente tocantes e trazem um novo nível de conexão emocional. A dublagem também merece destaque, com vozes talentosas e de algumas figuras especiais que dão vida aos personagens de forma excepcional.

A animação é um espetáculo à parte. Cada quadro é meticulosamente trabalhado, apresentando uma mistura perfeita de cores vibrantes e movimentos fluidos. Os visuais são delirantes, algumas sequências são tão lindas que dá vontade de ver mais de uma vez para não perder nenhum detalhe. Todo o jogo de diferentes cores para emoções, personagens e realidades diferentes, bem como a escolha de traçados e, até mesmo da quantidade de frames apresentados por segundo, ajuda a transportar o espectador para as diferentes realidades e cenários que o filme habilmente apresenta. A equipe de animação realmente se superou, proporcionando uma experiência visualmente deslumbrante.

O ritmo frenético de algumas sequências é outra característica marcante do filme. A ação é intensa e empolgante, mantendo o público envolvido e ansioso por mais. Além disso, a trilha sonora é mais um espetáculo à parte, contribuindo para a atmosfera do filme e destacando momentos importantes da narrativa.

Homem-Aranha: Através do Aranhaverso” é uma celebração do universo do Homem-Aranha, com referências aos quadrinhos e aos filmes anteriores. Existem muitos easter eggs espalhados pelo filme, alguns que incluem participações mais do que especiais de personagens conhecidos. A distribuição vende como o melhor filme de Super-Herói do ano, e de fato, estará ao menos listado entre os melhores, sem dúvidas. Temos aqui uma experiência completa para os amantes do Homem-Aranha, sejam eles fãs dos filmes, dos quadrinhos ou dos jogos.

Sem entrar muito em spoilers na trama e nos acontecimentos apresentados aqui, o que dá para se dizer e ter certeza é que a diversidade do elenco e dos personagens fez muito bem a história desse querido personagem. Viajamos não em diferentes tipos de pessoas, mas também de culturas, relações, ideias e tudo o que uma história que abraça a diversidade pode trazer.

Ao todo são mais de duzentos diferentes Aranhas apresentados, o que dá margem para se viajar dentre muitas versões queridas do personagem e algumas também muito divertidas. Em especial, eu poderia citar um deles chamado Hobie, o Homem-Aranha punk rock que traz algumas das melhores frases e também momentos divertidíssimos. 

No geral, “Homem-Aranha: Através do Aranhaverso” é uma emocionante continuação que amplia as fronteiras do primeiro filme. Com uma história envolvente, animação espetacular e personagens cativantes, esta é uma viagem imperdível para os fãs do Homem-Aranha. Uma prova que não existe melhor forma de se adaptar as histórias dos quadrinhos do que essa, me perdoem os fãs dos filmes, mas é impossível alcançar o que a franquia Spiderverse está construindo nos cinemas.

A única coisa que me deixou um pouco chateado foi o desfecho, algo que, o Homem-Aranha punk rock facilmente classificaria como um golpe invisível do capitalismo. Ainda assim, nada que prejudique ou desabone essa obra prima da animação.


Uma frase: – Miguel O’Hara: “Miles, ser o Homem-Aranha é um sacrifício. Você tem a escolha entre salvar uma pessoa e salvar todos os mundos.”

Uma cena: A chegada triunfal de Hobie.

Uma curiosidade: O filme se passa por seis dimensões e possui ao todo 240 versões diferentes do Homem-Aranha que contou com o esforço de mais de 1000 profissionais de animação.


Homem-Aranha Através do Aranhaverso (Spider-Man: Across the Spider-Verse)

Direção: Joaquim Dos Santos, Kemp Powers, Justin K. Thompson
Roteiro: Phil Lord, Christopher Miller, Dave Callaham
Elenco: Shameik Moore, Hailee Steinfeld, Oscar Isaac, Jake Johnson, Issa Rae, Brian Tyree Henry, Luna Lauren Velez, Rachel Dratch, Daniel Kaluuya, Andy Samberg, Jason Schwartzman, Karan Soni, Amandla Stenberg, Jorma Taccone, Shea Whigham
Gênero: Animação, Ação, Aventura
Ano: 2023
Duração: 140 minutos

Marcio Melo

Baiano, natural de Conceição do Almeida, sou engenheiro de software em horário comercial e escritor nas horas vagas. Sobrevivi à queda de um carro em movimento, tenho o crânio fissurado por conta de uma aposta com skate e torço por um time COLOSSAL.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: