Review | Cobra Kai – 4ª Temporada

Review | Cobra Kai – 4ª Temporada

A 4ª temporada de Cobra Kai chega com um desafio complicado: solucionar alguns problemas apresentados na anterior. A maior parte envolve o fato da série ganhar maiores proporções ao migrar para a Netflix e com isso investir em mais personagens, sem conseguir dar conta de todas as tramas.

Outro fato tem a ver com a diferenciação entre “mocinhos” e “vilões”, visto que na 3ª temporada tentaram sem sucesso humanizar John Kreese, mas agora Daniel LaRusso e Johnny Lawrence irão se unir para derrotar Kreese, transformando Kreese em um vilão mais uma vez. A diferença é que temos agora a presença de Terry Silver (Thomas Ian Griffith), o malvado de “Karatê Kid 3: O Desafio Final”, cuja presença consegue de forma mais assertiva humanizar John.

Aviso de SPOILERS

Os comentários a seguir falam sobre acontecimentos narrados na quarta temporada de Cobra Kai.

O grande trunfo da 4ª temporada de Cobra Kai é colocar finalmente LaRusso e Lawrence juntos como sensei, sendo que eles têm visões bem diferentes de como ensinar karatê. Inicialmente tentam achar um equilíbrio, mas quem sofre são os alunos, já que os supostos adultos não conseguem se entender. A resposta de que a mistura entre os dois estilos parece óbvia, mas não para Daniel e Johnny.

Então cabe a nova geração, representada por Miguel e Sam, encontrar na visão do outro sensei a resposta para aprender novas coisas e assim aprimorar o seu karatê. Aí entra também outra questão: o ciúme por parte dos adultos. Johnny criou uma relação de pai e filho com Miguel, então quando ele vê seu discípulo se relacionando com Daniel tenta criar um laço com Sam.

Nesse sentido quem apresenta os melhores momentos são Sam e Lawrence, já que a forma de Johnny lidar com seus alunos é muito mais sem noção e divertida. O episódio em que o sensei diz que os discípulos têm que pular de um prédio para outro é tão absurdo, que convence no ponto que ele quer provar.

O fator Silver

A grande surpresa da temporada é a presença de Terry Silver. O personagem tem um passado interessante, onde após abandonar o karatê segue em uma vida pacata e com luxos, mas aparentemente sem graça. Quando Kreese aparece em sua casa é como se uma chama do passado acendesse novamente, por mais que ele resista. Ao retornar ao dojo do Cobra Kai ele se reencontra consigo mesmo, como se descobrisse quem é de verdade. A relação entre eles sem dúvidas humaniza o lado vilão de John levando ambos até o próprio limite.

Esse núcleo da série se torna o mais interessante, mas infelizmente no final da temporada o roteiro exagera e transforma Silver em um novo “super vilão” ainda maior que Kreese, estragando o lado humano dos personagens. Assim, se Cobra Kai criava uma visão de que não existem “vilões”, mas sim pontos de vista, isso mais uma vez se desfaz. Faz sentido dentro da necessidade de se criar uma nova temporada, mas se perde da visão da narrativa.

Um novo personagem

No 2º episódio surge um novo personagem: Kenny (Dallas Dupree Young). Como assim? Teria a série espaço para mais um? Por incrível que pareça, esse foi um dos maiores acertos da 4ª temporada. O jovem é irmão de Shawn, que esteve no reformatório juvenil junto com Robby. Ele sofre bullying da turma de Anthony – filho de Daniel – ao chegar na nova escola, então decide ir até o dojo de Cobra Kai pedir ajuda.

Esse personagem serve para incluir o filho de LaRusso na narrativa e mostrar que sua família não é perfeita, já que enquanto ele dá mais atenção à filha mais velha e ao karatê, o mais novo está na escola praticando bullying. Além disso, desenvolve em Robby a figura do sensei. A relação entre eles mostra o quanto a filosofia do Cobra Kai é complicada de manter um equilíbrio.

Robby chega no dojo do Cobra Kai com o objetivo de levar consigo os ensinamentos de Miyagi aprendidos com Daniel, para assim conseguir derrotá-los no torneio. No entanto, assim como vemos na disputa de visões entre LaRusso e Lawrence, achar esse equilíbrio não é uma tarefa fácil.

Na 3ª temporada sem dúvidas Robby foi um dos personagens mais perdidos dentro da narrativa, mas na 4ª mesmo sem tanto espaço para protagonismo conseguiram dar um rumo para sua jornada. O reencontro dele no final com Johnny funciona, mas fica a dúvida se essa relação vai se consolidar.

O protagonismo feminino

O grande objetivo dessa 4ª temporada gira em torno do torneio de karatê já que Daniel e Johnny fizeram um “acordo” com Kreese de que o dojo que perdesse a competição deveria desistir de ensinar. A decisão de colocar a disputa final para definir o vencedor na luta entre Sam e Tory foi muito acertada. Cada uma delas tem algo a provar que está além de uma mera disputa entre adultos de meia idade.

Tory é uma das personagens mais interessantes da série, já que seus problemas familiares a transformam em uma das figuras mais humanizadas de Cobra Kai. É interessante ver a relação dela com Amanda, esposa de Daniel, que resolve ajudar, apesar do conflito da jovem com Sam. Isso obviamente cria uma situação complicada na residência LaRusso, mas mostra o quanto o núcleo feminino é o mais significativo da trama.

Ainda temos espaço para uma nova personagem: Devon Lee, interpretada por Oona O’Brien. Mesmo com pouco tempo em tela, a jovem rouba a cena sempre que aparece. Ela é convocada por Johnny para integrar o seu clã após descobrir que as novas regras do torneio tem a divisão entre as categorias feminina e masculina. O episódio em que ele vai junto com Miguel recrutar mulheres é hilário.

Saldo da 4ª temporada

Ainda temos o problema de ter muitos personagens para pouco espaço, mas nessa 4ª temporada tivemos um equilíbrio maior entre as histórias. Os novos integrantes fizeram a diferença e deram um pouco de frescor à temas já abordados na série, como bullying e a presença feminina. Contudo, a presença de Silver trouxe pontos positivos e negativos. 

O exagero em torno da sua “vilania” passa um pouco do ponto, mas funciona como elemento necessário para a trama prosseguir. Fica claro que Cobra Kai já passou do ponto de terminar e como qualquer outra série, faz o máximo que pode para esticar a narrativa. O jeito agora é torcer para que não se prolongue demais a ponto de estragar o que já foi construído até aqui.



Cobra Kai – 4ª Temporada

Criado por: Josh Heald, Jon Hurwitz e Hayden Schlossberg
Emissora: Netflix
Elenco: Ralph Macchio, William Zabka, Courtney Henggeler, Xolo Maridueña, Tanner Buchanan, Mary Mouser, Jacob Bertrand, Gianni DeCenzo, Peyton List, Vanessa Rubio, Thomas Ian Griffith e Martin Kove
Ano: 2021

Ramon Prates

Ramon Prates

Analista de sistemas nascido em Salvador (BA) em 1980, mas atualmente morando em Brasília (DF). Cinema é sem dúvidas o meu hobby favorito. Assisto a filmes desde pequeno influenciado principalmente por meus pais e meu avô materno. Em seguida vem a música, principalmente rock e pop.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

%d blogueiros gostam disto: