Review | Afterparty (2019)

Review | Afterparty (2019)

A produtora Night School Studio surpreendeu com o game Oxenfree ao apresentar uma narrativa interessante em que mistura elementos de interatividade com o gênero point-and-click graphic adventure. A fórmula de sucesso foi seguida em “Afterparty” e a história é mais ambiciosa e criativa, infelizmente o resultado não é similar.

O jogo conta a história de Milo e Lola, dois jovens que terminaram o colégio e durante a festa de formatura algo acontece e eles vão parar no inferno. Sem saber bem o que houve, eles se situam nesse novo ambiente para entender o funcionamento do lugar. Eles recebem uma demônia particular, chamada irmã Mary Wormhorn, e logo fazem amizade com Sam – uma motorista de táxi psicopompa.

Afterparty” segue a mesma mecânica de Oxenfree onde o jogador precisa escolher o que seu personagem vai responder, a diferença é que nesse game você controla os 2 personagens: Milo e Lola, mas não ao mesmo tempo. Esse é um diferencial interessante, mas ao mesmo tempo complica um pouco para quem está jogando, já que agora é necessário pensar e definir a personalidade de duas pessoas distintas.

Pouco tempo após se ambientarem no inferno, os protagonistas descobrem que para sair do lugar terão que desafiar o próprio Satanás para um jogo de bebidas. O álcool é um elemento essencial para o game, já que ele altera o comportamento dos protagonistas e ajuda-os a tomar decisões um tanto questionáveis, mas que serão essenciais para seguir com o objetivo principal.

Apesar de ter uma premissa muito interessante, “Afterparty” falha em tornar a experiência de jogar o game tão divertida quanto prometia. A história é um pouco arrastada, então demora para que ela apresente elementos que prendam o jogador na imersão do universo. Além disso, o jogo da Night School Studio também falha em criar uma conexão com os protagonistas e o fato de controlar os dois também prejudica essa experiência.

Ou seja, tudo que funcionou muito bem em Oxenfree falha em Afterparty, dessa forma mesmo que o game seja mais complexo e ambicioso, a experiência de jogá-lo não é tão intrigante e divertida quanto a do jogo anterior da Night School Studio. É uma pena, já que álcool e inferno são dois elementos que são difíceis de se transformar em algo tão desinteressante.


Classificação:


Afterparty

Plataformas: macOS, Microsoft Windows, PlayStation 4, Xbox One, Nintendo Switch e Linux
Produtora e Desenvolvedora: Night School Studio
Ano: 2019

Ramon Prates

Ramon Prates

Analista de sistemas nascido em Salvador (BA) em 1980, mas atualmente morando em Brasília (DF). Cinema é sem dúvidas o meu hobby favorito. Assisto a filmes desde pequeno influenciado principalmente por meus pais e meu avô materno. Em seguida vem a música, principalmente rock e pop.

Um comentário em “Review | Afterparty (2019)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: