Review | Mythic Quest

Review | Mythic Quest

A Apple está investindo em qualidade no seu serviço de streaming e no gênero de humor, uma de suas apostas é a série “Mythic Quest”. Criada por Charlie Day, Megan Ganz e Rob McElhenney, o programa acompanha o dia-a-dia do estúdio de um popular game fictício de MMORPG (Massive Multiplayer Online Role-Playing Game, isto é, um jogo de interpretação de personagens online e em massa para multijogadores) chamado Mythic Quest.

O jogo foi concebido por Ian Grimm (Rob McElhenney), que é o diretor criativo do game conhecido pelo seu egocentrismo. Seu comportamento é bastante peculiar, mas é capaz de persuadir as pessoas a fazer as coisas do jeito dele. Seu maior conflito é com Poppy Li (Charlotte Nicdao), a programadora chefe de Mythic Quest, que tenta também colocar um pouco da sua própria visão no MMORPG. A dinâmica entre os 2 rende momentos hilários, graças ao roteiro rápido e ácido, mas principalmente por causa do talento dos atores. A química entre eles é incrível e a forma como eles desenvolvem os personagens é fascinante.

Na verdade, o grande trunfo de “Mythic Quest” são os personagens e a dinâmica entre eles no escritório. O formato lembra um pouco “The Office”, mas sem o lado documental, isto é, não tem pessoas falando com a câmera. E Ian com certeza não é um “picareta” como Michael (ou David Brent, se você prefere a versão original). Além disso, o estilo do humor é mais dinâmico e irônico, como já foi citado, então o constrangimento não é o maior fator das piadas, mas sim o absurdo.

O “chefe” do estúdio é David Brittlesbee (David Hornsby), na verdade ele é produtor executivo, então sua responsabilidade é acalmar os gênios e lidar com os egos, principalmente de Ian e Poppy. No episódio piloto já vemos a equipe prestes a lançar uma atualização do game chamada Raven’s Banquet, que também dá nome a 1ª temporada da série, então os ânimos estão exaltados. Assim David contrata uma assistente chamada Jo (Jessie Ennis) para ajudá-lo, mas logo a jovem passa a dar mais atenção para Ian, mostrando que Brittlesbee não consegue motivar nem sua própria funcionária direta.

Ainda temos os personagens geniais de F. Murray Abraham, que interpreta C.W. Longbottom – o escritor chefe da história do game, e de Danny Pudi (de Community), que vive Brad Bakshi – responsável pela monetização do jogo. C.W. é ótimo por ser um homem de mais idade com experiência em livros de ficção e fantasia que tem um estilo mais clássico e convencional de pensar em narrativas, contrastando um pouco com o universo de um MMORPG, mas que de alguma forma funciona, além de ter algumas “sequelas” dos excessos da juventude, como por exemplo não lembrar de fatos passados. Já Brad é uma pessoa aparentemente sem escrúpulos, capaz de qualquer coisa para ganhar dinheiro, com motivações bem duvidosas.

Completam o elenco a equipe de testes formada pela dupla Rachel (Ashly Burch) e Dana (Imani Hakim), onde surge uma amizade com um pouco de tensão romântica, mas ambas têm medo de assumir uma para a outra. Ainda temos também outros personagens secundários interessantes, como Sue (Caitlin McGee), responsável por moderar os comentários dos jogadores enquanto fica “presa” no subsolo do prédio do estúdio, e Carol (Naomi Ekperigin), a “mulher do RH” que sofre pelo fato dos funcionários não saberem para que serve de fato o recursos humanos.

À primeira vista Mythic Quest parece voltada para o público gamer, mas felizmente isso não é verdadeiro. O fato do espectador não conhecer esse universo pode até ser melhor, já que irá se “chocar” mais com determinados comportamentos e estratégias desse mundo. Por exemplo, o estúdio sempre acompanha as atualizações de um streamer, isto é, um adolescente que transmite suas partidas online e comenta se gostou ou não das novidades do jogo. Sem dúvidas o seriado da Apple TV+ é um dos mais hilários da atualidade, então se você gosta de humor ácido e rápido, não deixe de assistir.



Mythic Quest

Criado por: Charlie Day, Megan Ganz e Rob McElhenney
Emissora: Apple TV+
Elenco: Rob McElhenney, Ashly Burch, Jessie Ennis, Imani Hakim, David Hornsby, Charlotte Nicdao, Danny Pudi e F. Murray Abraham
Ano: 2020

Ramon Prates

Ramon Prates

Analista de sistemas nascido em Salvador (BA) em 1980, mas atualmente morando em Brasília (DF). Cinema é sem dúvidas o meu hobby favorito. Assisto a filmes desde pequeno influenciado principalmente por meus pais e meu avô materno. Em seguida vem a música, principalmente rock e pop.

Um comentário em “Review | Mythic Quest

  1. Eu gostei, dei boas risadas e adorei o velho que é “roteirista” do jogo. Na questão da comparação com Michael Scott de The Office, no final das contas eu ainda acho Scott menos escroto hehehehe mas entendi a comparação.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: