Review | The Last Kingdom – 4ª Temporada

Uhtred Ragnarson retorna em suas desventuras para tentar retomar seu lar, Bebbanburg, enquanto ajuda a formar o que hoje nós chamamos de Inglaterra.

The Last Kingdom é uma série de TV que durante muito tempo foi comparada a Game of Thrones. Porém, por contar com uma produção menos cinematográfica do que o grande sucesso da HBO, essa comparação acabava atingindo The Last Kingdom de maneira um tanto quanto injusta.

Há, na verdade, poucas semelhanças entre as duas séries. O cenário medieval é o mais evidente. The Last Kingdom, porém, diversamente, não se trata de uma história de fantasia, mas em verdade de um romance histórico – uma narrativa que se contrói a partir de reinterpretações e romantização de eventos históricos, sem apostar em magia, mortos-vivos ou dragões. Nesse sentido ela seria até mais próxima da série Vikings do que de Game of Thrones. Inclusive, não por acaso, alguns personagens e eventos mostrados em Vikings são também mostrados em The Last Kingdom com algumas variações razoáveis.

A outra semelhança é que tanto The Last Kingdom quanto Game of Thrones tem como fonte séries de literatura. The Last Kingdom é baseada na série de livros do prolífico autor de romances históricos Bernard Cornwell que aqui no Brasil ganhou o nome de Crônicas Saxônicas. Aqui a série já conta com 11 volumes, sendo o último livro “A Guerra do Lobo” lançado em 2019. Cornwell, sempre um fiel narrador da história, busca nos registros históricos que contam a formação da Inglaterra através dos embates dos Saxões que lá viviam com os invasores nórdicos a fonte para desenvolver sua narrativa.

Toda a história é contada, como de praxe em suas obras, da perspectiva de um personagem fictício: Uhtred de Bebbanburg ou melhor, Uhtred Ragnarson, um bravo e poderoso guerreiro saxão que foi traído pelo tio e perdeu seu feudo em Bebbanburg, tendo sido vendido como escravo ao bárbaro pagão Ragnar, um líder guerreiro Danês. Uthred, assim, é um homem dividido entre dois mundos, capaz de transitar entre as culturas e religiosidades que se chocam e definem a formação da Inglaterra. A bem da verdade, o Uhtred de Cornwell é uma espécie de amálgama de diversos outros personagens históricos com esse nome que marcaram a história da Inglaterra.

Assim, graças a excelente fonte da qual parte – as obras de Cornwell são notórias e elogiadas, mesmo por historiadores por sua acuidade histórica bem como pela sua verossimilhança e  qualidade narrativa – The Last Kingdom consegue um bom resultado com uma trama concisa, realista e com personagens bem escritos e bem desenvolvidos.

As duas primeiras temporadas foram produzidas pela BBC America e a partir da terceira temporada a Netflix assumiu integralmente a produção da série. Como dito, está longe de ter a qualidade cinematográfica de Game of Thrones, tanto em produção quanto direção e efeitos. Porém, a série é gravada em locações e a boa adaptação da fonte, as obras de Cornwell, contribuem para um resultado que não deixa de ser envolvente e satisfatório.

A quarta temporada de The Last Kingdom adapta livremente as tramas dos livros sete e oito da série as Crônicas Saxônicas, respectivamente O Guerreiro Pagão e O Trono Vazio. Após a morte de Alfredo, o Grande, o rei que “criou a Inglaterra” o filho e a filha do monarca precisam lutar para manter vivo o sonho do pai de uma Inglaterra saxônica unida. Mais uma vez Uhtred Ragnarson (Alexander Dreymon) será arrastado para o meio desses conflitos. Dessa vez, porém, ele terá chance de retomar sua terra natal, Bebbanburg, mas irá falhar e pagar um preço caro. A partir veremos um Uhtred mais abalado e envelhecido que tem que se confrontar com novas escolhas difíceis ao passo que tenta reconquistar seus filhos e reformar sua família.

Em relação à terceira temporada, a quarta temporada apresenta uma melhoria na qualidade dos roteiros e de produção. Os atores antigos, principalmente o protagonista, Alexander Dreymon, e sua “antagonista”, Brida (Emily Cox), estão mais à vontade com seus personagens. Há também espaço para novos personagens e atores. Merece destaque a jovem Ruby Hartley no papel de Stiorra, a filha de Uhtred, já crescida. Eysteinn Sigurðarson no papel do líder guerreiro Danês Sigtryggr e Ossian Perret no papel de Wihtgar, o primo de Uhtred, prometem serem bons antagonistas nas próximas temporadas.

A temporada ainda conta com as boas e velhas intrigas palacianas e com boas sequências de batalha. As disputas domésticas pela sucessão do trono de Wessex, o reino central, que era governado pro Alfredo e agora é governado por seu jovem e inexperiente filho Eduardo, e os jogos do pequeno poder, formam o pano de fundo político geral da trama. Mas há ainda muita espaço para resolver os conflitos no reino vizinho da Mércia, que prossegue explorando a tensão entre o egocêntrico e arrogante Aethelred (Toby Regbo), o rei, e sua esposa e filha de Alfredo, a bela Aethelflaed (Millie Brady), agora amante de Uhtred que, através de seu coração dessa vez, e não de sua honra – como se deu no passado – é tragado para o meio do conflito que acaba engolfando os dois reinos vizinhos e novos embates com os daneses.

Tudo isso dá a essa quarta temporada de The Last Kingdom uma dinâmica diferenciada das demais. Uma série amadurecida, que parece ter encontrado um ponto de equilíbrio interessante, com atores mais à vontade em seus personagens, e sabendo explorar bem tramas já estabelecidas para desenvolver de forma mais efetiva a ação e as relações pessoais. Os arcos narrativos são apresentados de maneira clara e bem desenvolvida, talvez com a pequena exceção, apenas, da trama que evoca elementos de uma peste que fica quase que diluído no meio de outra trama. Mas isso em nada compromete o resultado final.

The Last Kingdom, como dito, tem pouco de Game of Thrones. Felizmente é uma série que sabe exatamente seu lugar, e segue se desenvolvendo com bastante competência de maneira cada vez mais satisfatória e agradável a uma audiência que, sem dúvida, diante dessas qualidades, torna-se cada vez mais cativa e ávida para as próximas temporadas.



The Last Kingdom – 4ª Temporada

Criado por: Bernard Cornwell
Emissora: Netflix (Original)
Com: Alexander DreymonMillie Brady, Mark Rowley, Emily Cox, Toby Regbo, Timothy Innes, Eliza Butterworth e Ian Hart.
Ano: 2020

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *