Review | Super Mario Maker 2

Super Mario é o personagem mais famoso e importante da Nintendo, além de ser a franquia mais preciosa da empresa. Então era de se esperar que Super Mario Maker ganhasse uma continuação no Nintendo Switch. O 1º game foi lançado em 2015 para o Wii U e Nintendo 3DS, e seu grande trunfo era dar ao jogador a tarefa de criar fases para o jogo. Na sequência de 2019 a essência foi mantida, mas foram incluídas novas funcionalidades.

Antes de falar sobre elas, é importante explicar a mecânica do jogo. O jogador pode jogar as fases criadas e também criá-las. Isso faz com que Super Mario Maker 2 seja um jogo “infinito”, ou seja, ele tem diversas fases e quando o jogador enjoar delas pode criar mais. Isso é fascinante, já que a criatividade é o limite.

Assim a maioria desses levels brinca e subverte as fórmulas das franquias de plataforma 2D, lembrando que é possível criar fases usando o estilo dos jogos Super Mario Bros., Super Mario Bros. 3, Super Mario World, e New Super Mario Bros. U, e agora também o Super Mario 3D World. Por exemplo, existem fases onde o jogador não pode pular, ou que tem um objetivo mais específico do que simplesmente chegar ao final, como ter que carregar um objeto ou pegar uma determinada quantidade de moedas. Isso é bem interessante porque Super Mario Maker 2 se transforma em uma experiência que mistura nostalgia com um frescor de novidade.

Um dos pequenos problemas de Super Mario Maker era que não existia um modo história, então o jogador só podia ficar jogando as fases criadas por outros jogadores, mas sem ter um objetivo mais claro. Isso pode transformar a experiência em algo meio frustrante para alguns. Nessa continuação foi criado esse modo de jogar, onde o castelo da Princesa Peach é destruído e Mario vai ajudar na reconstrução. Para isso o jogador tem que completar fases em trocas de moedas e usar o dinheiro para pagar os toads reconstruírem o castelo.

Essa solução é positiva e transforma a experiência de jogar Super Mario Maker 2 em algo mais interessante e “finito”, já que existe um objetivo a ser cumprido. Mas em comparação com os outros jogos da franquia, onde existem mundos diferentes e coisas do tipo, a experiência ainda deixa um pouco a desejar.

Outra adição é o modo online, onde 2 jogadores podem jogar o modo multiplayer local ou via Internet para construírem uma fase juntos ou competir jogando uma dessas fases, podendo jogar até 4 ao mesmo tempo. Lembrando que para isso é necessário adquirir o serviço online da Nintendo. E essa obrigatoriedade também traz outro problema, pois para jogar as fases criadas pelos jogadores também é necessário ter a assinatura. Ou seja, uma boa parte da diversão de Super Mario Maker 2 depende Nintendo Switch Online.

Por último, no final de 2019 o jogo ganhou uma nova atualização. Foi incluída a Master Sword do jogo Zelda, então quando o jogador pega o item se transforma em Link. Esse modo de jogo só funciona nas fases estilo Super Mario Bros., nos levels criados pelos jogadores. A possibilidade de jogar com o protagonista de Zelda define uma nova jogabilidade, já que ele tem a espada e é capaz de atirar arco e flecha, além de arremessar poções bomba. Isso muda bastante a mecânica do game, dando a Super Mario Maker 2 ainda mais fôlego com possibilidades para dar asas a imaginação dos players. E o melhor de tudo, quem sabe não é um indício de que futuramente poderemos ter um Zelda Maker. Vamos aguardar novidades sobre isso.

Apesar dessa restrição do serviço online, Super Mario Maker 2 é um jogo extremamente divertido e que apresenta ao jogador uma nova forma de jogar os games da franquia mais famosa da Nintendo. Em síntese, como já foi citado no texto, é uma mistura nostalgia com sabor de novidade. E totalmente imperdível para quem gosta de jogos de plataforma 2D.


Classificação:


Super Mario Maker 2

Plataformas: Nintendo Switch
Produtora: Nintendo
Desenvolvedora: Nintendo EPD
Diretor: Yosuke Oshino
Ano: 2019

One thought on “Review | Super Mario Maker 2”

  1. Parece divertido, mas não é o tipo de jogo que me atrai esse de criar fases ou jogar fases criadas por outros jogadores. Eu lembro do Little Big Planet no PS3 da época que rapidnho eu larguei de mão.

    Mesmo esse modo história ou a possibilidade de jogar online não me anima

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *