Crítica | 1917

Quão desafiador é produzir um filme de guerra que se diferencie de tudo que o cinema já exibiu até a atualidade? A dificuldade da missão de Sam Mendes em 1917 é diretamente proporcional aos perigos enfrentados pelos dois jovens soldados britânicos protagonistas da história contada pelo cineasta, que foi inspirada na experiência do seu avô, Alfred H. Mendes, que lutou na Primeira Guerra Mundial.

Com um roteiro simples e até bem clichê, 1917 supera o desafio e transforma o que poderia ser apenas mais um drama de guerra em um longa com potencial para se tornar um grande marco na história da sétima arte. É um filme para ser apreciado na maior tela possível – um investimento bastante arriscado, porém certeiro, com chance de trazer de volta aos cinemas o público já acostumado com o streaming.

Isso porque a produção é inteiramente executada para criar a ilusão de um grande plano sequência, sem cortes de cenas. A câmera acompanha os protagonistas do começo ao fim de suas jornadas, sem interrupções aparentes. Além de impressionar pela cinematografia ousada, o filme também se destaca pela fotografia realista e pelo design de produção meticuloso, que cria uma atmosfera muito imersiva na experiência da guerra.

A intenção é elevar para um novo patamar o modelo de protagonismo cinematográfico. Para isso, a câmera segue incansável os passos dos cabos Blake e Schofield, que partem em uma missão no território inimigo para entregar uma mensagem que impedirá um batalhão inglês de cair numa armadilha mortal organizada por tropas alemãs. No caminho, o espectador testemunha de muito perto, além das agruras e dos traumas proporcionados pela guerra, também a evolução, o conflito e a mudança dos personagens em suas motivações pessoais, numa jornada que testa os limites de um propósito.

Com genialidade e muita sensibilidade, 1917 choca, gera tensão e também emociona. É um belíssimo balé de imagens corriqueiras de guerra numa roupagem completamente inovadora para o cinema. O longa de Sam Mendes surpreende, inspira e o consolida como um dos cineastas mais geniais de todos os tempos. São inúmeras as possibilidades criativas que podem surgir a partir dessa primorosa obra. Quem viver, verá.

Veja também vídeo com curiosidades do filme:


Uma frase: “Isso só termina de uma maneira. Quando só sobrar um”.

Uma cena: Quando Schofield corre no campo de guerra, em meio a explosões.

Uma curiosidade: Demorou 6 meses para os atores ensaiarem o filme antes do início das filmagens.


1917

Direção: Sam Mendes
Roteiro:
Sam Mendes e Krysty Wilson-Cairns
Elenco: Dean-Charles Chapman, George Mackay, Daniel Mays, Colin Firth, Pip Carter, Andy Apollo, Andrew Scott, Claire Duburcq e Benedict Cumberbatch
Gênero:  Drama, Guerra
Ano: 2019
Duração: 119 minutos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *