Crítica | Um Passado de Presente

A época de Natal é a minha favorita do ano, não é nenhum segredo. E nada pode arruinar esse sentimento… Pelo menos era o que eu pensava até assistir o novo filme de Monika Mitchell lançado recentemente no Netflix, Um Passado de Presente (The Knight Before Christmas).

Um conjunto de filmes está sendo liberado neste final de ano pela nossa conhecida Netflix. De fato, é necessário reconhecer que alguns acertos estão sendo entregues, como Klaus e História de um Casamento. No entanto Um Passado de Presente chega para decepcionar os fãs do Natal, e de forma geral fãs de bons filmes. O melhor da obra infelizmente fica por parte somente do título, em inglês, que joga com as palavras de forma interessante e que fez, erroneamente, eu me interessar pelo filme.

A começar pela premissa repetida e sem contextualização nenhuma. Montagem confusa e atuações com falta de veracidade. Sem contar as situações que facilmente podem ser interpretadas como machistas. Problemas técnicos à parte, o enredo apresenta um cavaleiro da época medieval que, ao encontrar uma velha feiticeira na floresta, é enviado para o futuro. Ao chegar na atualidade, encontra com uma bela moça que irá ajudá-lo a sobreviver na loucura da era moderna e a voltar a sua época… Surpresa, como ninguém pensou em escrever esse enredo antes?

Os protagonistas são Josh Whitehouse (como Sir Cole) e atriz e cantora Vanessa Hudgens (como Brooke). A química entre eles não é eficaz e trás uma pequena indignação ao espectador. Não existe verdade na relação dos dois e ao longo da trama isso só piora. Josh até consegue entregar uma atuação mediana, no entanto não convence ao mostrar um cavaleiro medieval se adaptar tão facilmente com a modernidade, fazendo com que algumas cenas ao invés de cômicas sejam vergonhosas. Hudgens começa de forma interessante, no entanto se perde à medida que o filme avança. Ela passa de uma mulher com premissa forte para uma submissa e ingênua moça no final.

A história não trás nada de inovador, então tenta basicamente apresentar momentos fraternos e amáveis, que na verdade acabam por deixar o espectador indiferente. A época do ano em que se passa o filme é a semana anterior ao Natal. Dessa forma a produção é muito bonita e os cenários internos e externos são de encher os olhos. Porém é só. Algumas vezes me peguei pensando em como eu queria aquela decoração natalina em minha casa sem conseguir prestar atenção nos diálogos arrastados.

De forma geral, a fotografia e figurino são bonitos, mas não conseguem deixar positivo o saldo de desapontamentos que a nova produção da Netflix deixa. A atuação de Josh Whitehouse e Vanessa Hudgens é mediana e o casal não convence. A história é batida e sem emoção. Então aos fãs de filmes de natal fica o conselho; não assistir Um Passado de Presente irá deixar um pouco mais intacto as comemorações deste ano.


Uma frase: ”Quem somos nós para dizer que ele não é o que ele diz ser?”

Uma cena: A cena em que Sir Cole conversa com um speaker.

Uma curiosidade: Para obter a química elétrica entre os protagonistas, eles deveriam se viajar juntos por uma semana. Infelizmente Vanessa Hudgens não conseguiu ir, então eram apenas Josh Whitehouse e seu cavalo.


Um Passado de Presente (The Knight Before Christmas)

Direção: Monika Mitchell
Roteiro:
Cara J. Russell
Elenco: Vanessa Hudgens, Josh Whitehouse, Emmanuelle Chriqui, Ella Kenion, Harry Jarvis, Isabelle Franca e Jean-Michel Le Gal
Gênero: Aventura, Drama, Comédia, Fantasia
Ano: 2019
Duração: 92 minutos

One thought on “Crítica | Um Passado de Presente”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *