Crítica | Frozen 2 – O Reino do Gelo

Frozen 2 é a aguardada sequência da mais bem sucedida animação da Disney dos últimos anos: Frozen – Uma Aventura Congelante. O filme de 2013 foi um marco estrondoso para a nova geração, principalmente por sua trilha sonora e narrativa inspiradora, tal qual foi O Rei Leão nos anos 1990. Como toda continuação de histórias de sucesso, o principal desafio é encantar, emocionar e surpreender mais do que o título original. 

Sob essa perspectiva da experiência para o espectador e considerando o padrão das últimas animações do estúdio, a nova aventura de Elsa, Anna, Olaf e Kristoff tem o mérito de manter viva a franquia, além de expandir o universo mitológico do Reino de Arandelle e explorar o passado dos pais das irmãs. Aliás, a força da relação estabelecida pelas duas é o que dita o tom do roteiro mais uma vez. 

É nítida a equivocada decisão da roteirista Jennifer Lee de não arriscar. O longa permanece na zona de conforto da fórmula de sucesso do primeiro filme, cujo grande e indiscutível mérito se deve em grande parte à mudança de paradigma da história e à subversão dos estereótipos. A primeira animação de Frozen ousou inesperadamente ao abordar o amor de irmãs em vez de investir no relacionamento amoroso de princesas e príncipes. 

Ainda assim, o segundo longa segue de forma acertada o ritmo do anterior no quesito empoderamento e no potencial disruptivo do protagonismo feminino em contos de fadas. Elsa, desta vez, embarca numa solitária e profunda busca por conhecimento de suas origens para entender o seu lugar no mundo e qual o propósito de sua magia. Anna, sempre muito corajosa e super protetora, agora experimenta perdas reais para aprender o verdadeiro sentido do que já se tornou um lema dessa franquia: “Let It Go” (deixe ir).

Mesmo sem empolgar tanto quanto o original, a sequência tem potencial para alcançar o sucesso e continuar inspirando crianças e adolescentes não apenas pela mensagem, mas também pela beleza dos figurinos das irmãs, pelo excepcional carisma e humor de Olaf, bem como pelas sempre grandiosas cenas musicais. O carro-chefe da trilha sonora, por sua vez, é a música “Into the Unknown” –  “Minha Intuição“, na canção dublada em português. Não é um hit tão chiclete quanto “Let It Go“, do primeiro filme, mas se revela bem interessante na versão gravada pela banda Panic! at the Disco.


Uma frase: “Sempre receamos que os poderes de Elsa fossem demais para este mundo. Agora, devemos orar para que sejam suficientes”

Uma cena: A sequência musical protagonizada por Kristoff no meio da floresta.

Uma curiosidade: Em um flashback, o príncipe Agnar diz que está lendo um livro de “algum novo autor dinamarquês”. Esta é provavelmente uma alusão a Hans Christian Andersen, cujo conto de fadas, “A Rainha da Neve”, inspirou a trama do filme original.


Frozen 2 – O Reino do Gelo (Frozen II)

Direção: Chris Buck e Jennifer Lee
Roteiro: Jennifer Lee
Elenco: Kristen Bell, Idina Menzel, Josh Gad, Jonathan Groff e Sterling K. Brown
Gênero: Animação, aventura e comédia
Ano: 2019
Duração: 103 min

2 thoughts on “Crítica | Frozen 2 – O Reino do Gelo”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *