A Nostalgia Era Melhor Antigamente: Batman ’89 (parte final)

Continuação do post da semana passada, com a segunda parte análise da do filme Batman (1989).

No post anterior, descobrimos que o grande herói de Gotham City não vê nenhum problema em abusar de uma mulher embriagada e que Vicki Vale tem muito medo de acne e micose.

Hoje nós vamos aprender a fazer baliza no Batmóvel e descobrir que o Batman é um pouco procrastinador quando se trata de salvar a vida de pessoas correndo risco de envenenamento.

Batman (1989)

(parte final)

Os capangas do Coringa então entram em seus carros verde e roxo, estilizados possivelmente pela mesma empresa especializada em palhaços que arrumou os mímicos criminosos, e perseguem nosso herói em sua fuga.

Batman consegue escapar provocando um grave acidente de trânsito envolvendo não apenas os capangas, mas também viaturas da polícia, carros de passeio e um caminhão de repolho.

De alguma forma, os carros do Coringa conseguem sair com facilidade de um engavetamento que aqui na minha cidade comprometeria o trânsito por uma semana, e a polícia não vê qualquer problema em deixar escapar os malfeitores que alguns segundos atrás estavam dirigindo perigosamente, atirando a esmo pela rua e, pior, dirigindo carros verde e roxo de extremo mau gosto.

Porém, um pouco mais adiante o Batman também se envolveu em um problema de trânsito, demonstrando que a parte mais inverossímil de toda essa história é o herói de uma grande metrópole que decide usar um carro imenso como meio de locomoção principal.

Diante disso o homem morcego se vê obrigado a prosseguir na fuga a pé, mas de alguma maneira os asseclas do Coringa que estavam dois acidentes de trânsito atrás conseguem chegar quase ao mesmo tempo que ele em um beco sem saída, obrigando-o a enfrentá-los.

Depois de indelicadamente perguntar a Vicki Vale o seu peso, o Batman a envia para o telhado com um dos seus apetrechos e encara os vilões, novamente usando a única técnica de combate que parece conhecer: levar um tiro e cair no chão.

Nunca confie em alguém que pergunta o seu peso enquanto morde o lábio e toca na própria virilha

Enquanto o Batman usa sua revolucionária  técnica de desmaiar após levar um tiro, os vilões decidem remover a máscara para descobrir sua identidade secreta. Esse é o único momento em que Vicki lembra que é (ou deveria ser) repórter fotográfica, e decide tirar uma foto do herói desacordado, em seguida escondendo o filme em seu sutiã.

Como já ficou estabelecido que o Batman não gosta de exposição, isso faz com que ele desperte e lide com os vilões — novamente, sem prender ninguém. Talvez ele acredite que uma surra é suficiente para reabilitar criminosos, tipo uma lei da palmada invertida.

Na sequência ele coloca a jornalista em seu carro inviolável com janelas escurecidas e a leva para sua caverna distante e isolada, ignorando solenemente quando ela pergunta para onde estão indo. Sério, alguém aí está contando quantos crimes contra a dignidade sexual esse cara já cometeu?

Chegando em seu covil, o Batman revela ter a lista de cosméticos envenenados pelo Coringa, mas por alguma razão decidiu não levá-la para a polícia, ou para o Ministério Público, ou para qualquer autoridade que tenha poder para tirar as mercadorias de circulação, ou dar um aviso oficial, não sei. Nada disso, o plano dele é que uma jornalista alerte as pessoas, mas só no jornal dia seguinte, afinal trata-se de imprensa escrita.

Claramente, dar o furo de reportagem para a jornalista com quem ele tem um caso é mais importante que salvar vidas

Curioso é que essa questão não passa despercebida pela própria Vicki, que observa que o próprio Batman poderia ter levado a informação à imprensa. Ele admite que é verdade e explica, com sua voz de predador sexual, que ela tem algo que ele quer, na sequência encobrindo-a com sua capa com um movimento rápido.

A cena então corta para Vicki acordando em sua própria cama com o dia já claro — mas calma! Embora tudo leve a crer que o Bat-Abusador cometeu mais uma das suas, o que ele queria na verdade era o rolo de filme que Vicki usou para fotografá-lo. Lembra? Aquele filme que ela guardou no sutiã.

Então, recapitulando: o Batman usou alguma substância para fazer a repórter perder os sentidos e, enquanto ela estava desacordada, retirou um objeto escondido entre os seus seios. Entendido até aqui? Ok, prosseguindo.

Enfim, não satisfeito em dar a lista dos cosméticos envenenados para uma repórter, e não para as autoridades, nosso herói ainda faz com que ela perca os sentidos, assim atrasando quase um dia inteiro na divulgação de algo que poderia ter salvado muitas vidas se já fosse de conhecimento público 24 horas atrás.

Depois que Vicki garantiu seu furo de reportagem e, sem nenhum teste ou confirmação, revelou para a população a lista que lhe foi apresentada por um maluco vestido de morcego, Bruce Wayne decide ir até o apartamento da jornalista para pedir-lhe desculpas, o que faz empurrando-a contra a cadeira e mandando-a calar a boca.

Um gentleman

O relacionamento abusivo é interrompido — mais uma vez — pelo súbito aparecimento do Coringa no apartamento, que além de todos os crimes até aqui cometidos não tem a cortesia de ligar antes de aparecer na porta dos outros. Sério, esse aí tá pra mim tá no topo dos crimes cometidos até aqui, odeio gente assim.

Pego de surpresa, Bruce está sem a sua armadura de Batman, mas não é isso que vai impedi-lo de usar a sua habitual técnica de luta: colocando sob a camisa uma bandeja que certamente é frágil demais para suportar um disparo, ele confronta o Coringa e… leva um tiro, é claro.

Vocês estão contando? Já foram três ou quatro tiros, não lembro

Para ser justo, a tática foi bem eficaz: o Coringa parece satisfeito com o tiro que não sangra e esquece de seja lá o que ele pretendia fazer ali. Simplesmente vira as costas e vai embora sem incomodar mais a dona da casa.

Por que ela tem em casa bandejas de aço reforçado é algo que eu temo que jamais saberemos

Por algum motivo, Bruce também decide ir embora sem tentar capturar o vilão (claro) ou mesmo confortar a repórter traumatizada; ele já levou o tiro no peito, certo? Missão cumprida por hoje, vamos pra casa comer sopa fria.

Em seguida, o Coringa demonstra compreender o funcionamento da mídia de massa muito melhor que qualquer outro nesse filme, porque invade a programação da TV para anunciar que atirará 20 milhões de dólares nas ruas para quem quiser pegar — o que o povo acha ótimo, afinal, por que não confiar em um maníaco homicida que matou centenas de pessoas com cosméticos envenenados, não é mesmo?

É querer demais que o sujeito que usa dez telas no mesmo canal compreenda o funcionamento da mídia televisiva

Nosso herói então finalmente decide ter um pouco de proatividade e invadir o covil do vilão, que pelo visto já se sabia onde ficava, mas ninguém foi lá porque os policiais estavam entretidos jogando roleta e o Batman ocupado tomando tiros.

O Homem Morcego então metralha e explode o local sem qualquer piedade para com aqueles que estão lá dentro, mas a sua fúria homicida não atinge o Coringa, que naquele momento já estava se dirigindo ao centro da cidade para jogar dinheiro a cidadãos que confiam demais em psicopatas vestidos de palhaço.

Já a polícia, devidamente avisada que um maníaco homicida estaria no centro da cidade atirando dinheiro aos populares, nada faz. Não impede a multidão de chegar ao local, não se prepara para prendê-lo no momento da sua chegada, nada. “Batman tá aí pra isso, né? Vamos jogar nossa roleta”.

Registrando essa desesperada busca pelo vil metal está Alexander Knox, que confia tanto na competência da colega Vicki Vale que acha necessário lembrar uma fotógrafa que ela deve tirar fotos.

Dado o histórico, não tiro um pingo da razão dele

Enquanto isso o Batman, de alguma forma adivinhando que o plano do Coringa envolve algum tipo de ameaça voadora, como balões envenenados, dá uma rápida passada em sua caverna para buscar seu avião. Ao vê-lo se aproximar, o Coringa revela seu verdadeiro plano, que de fato envolve balões gigantes com gás venenoso, de modo que faço aqui meu mea culpa e parabenizo o Batman pela extraordinária antevisão e presença de espírito.

Na verdade, o herói previu com tanta exatidão a ameaça dos balões que o seu avião está equipado com um alicate no bico especialmente projetado para cortar e recolher cabos de balão. Ou talvez ele simplesmente deteste crianças empinando pipa e já tinha o equipamento previamente instalado.

O Homem Morcego então captura os balões e os leva para o mais alto que consegue — o que me parece uma estratégia meio tapada porque o gás assim cobrirá uma área maior e portanto envenenará mais gente –, em seguida descendo rapidamente e atirando mísseis contra o carro alegórico do Coringa que até alguns segundos atrás estava cercado por inocentes. Por sinal, tem que ser mesmo muito inocente para confiar na palavra de um homicida vestido de palhaço.

Mas os cidadãos de Gotham não são os únicos idiotas aqui. O Coringa também é bem estúpido, porque com o avião do Batman vindo a toda velocidade em sua direção, ele decide se defender com um mísero revólver. O vilão então atira uma única bala contra uma avançadíssima aeronave equipada com todo tipo de armamento e a derruba.

Não, sério mesmo. Ele derruba o avião.

Com um revólver calibre .38.

Batman comprou esse avião no Ali Express, não é possível

Mas calma. Lembre-se que tudo faz parte da costumeira estratégia do Batman de, antes de qualquer outra coisa, levar um tiro e cair, portanto está tudo indo de acordo com o plano.

O Coringa então leva Vicki para o alto da torre de uma catedral e o Batman segue em seu encalço. Ocorre que a essa altura o vilão já desvendou a estratégia do Homem Morcego e sabe que a chave para derrotá-lo está em simplesmente não disparar arma de fogo, assim impedindo o uso de sua revolucionária técnica de combate.

A estratégia dá certo, o Coringa derrota o Batman e o deixa pendurado no parapeito da torre enquanto seus asseclas vêm ao seu resgate em um helicóptero, claro, estilizado em verde e roxo.

Mas o Cavaleiro das Trevas ainda tem uma última cartada: quando o Coringa segura na escada de corda que lhe foi jogada do alto do helicóptero, o Batman amarra a perna do vilão a uma gárgula de pedra da torre, para que ele seja obrigado a soltar a escada.

No entanto o Coringa não apenas não solta a escada, como as suas cordas também não se partem e o helicóptero de alguma maneira tem força o bastante para arrancar uma estrutura de pedra da torre.

Desde o .38 que derruba avião já tinha ficado claro que Tim Burton devia estar meio de saco cheio e querendo encerrar logo o filme sem se preocupar com detalhes menores como física ou lógica

Embora tenha tido força suficiente nos braços para arrancar a gárgula do chão, o Coringa não suporta o peso dele solto e acaba caindo do helicóptero e presumivelmente morrendo, mas diante do ocorrido até aqui eu não duvido de mais nada.

Derrotado o Coringa, o herói que até quinze minutos atrás preferia manter sua existência em segredo decide mandar uma cartinha para o promotor Harvey Dent (para quem não sabe, “carta” é o instrumento que os antigos fenícios usavam para se comunicar antes do advento do Whatsapp) informando que, com a morte do vilão, a cidade de Gotham está livre do crime.

A exceção, é claro, são os asseclas do Coringa que fugiram no helicóptero. Pensando bem, os capangas que estavam no chão também não foram presos. Nem aquela dupla que assaltou a família no começo do filme, nem os mímicos…

Ah, e tem também um predador sexual que embebeda mulheres para praticar estupro de vulnerável. Espero que alguém prenda esse cara.

2 thoughts on “A Nostalgia Era Melhor Antigamente: Batman ’89 (parte final)”

  1. * alguém aí está contando quantos crimes contra a dignidade sexual esse cara já cometeu?
    Achei que esse era o seu papel.

    * Já a polícia, devidamente avisada que um maníaco homicida estaria no centro da cidade atirando dinheiro aos populares, nada faz.
    Eles estavam sem viaturas depois do acidente provocado pelo Batman.

    * Ou talvez ele simplesmente deteste crianças empinando pipa e já tinha o equipamento previamente instalado.
    O cerol poderia derrubar o avião.

    * Com um revólver calibre .38.
    Mas você viu o tamanho do cano?

    * …preocupar com detalhes menores como física ou lógica
    Considerando os seus textos acho que isso já tinha ficado claro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *