Review | Red Dead Redemption 2

Red Dead Redemption 2 é mais que um jogo de faroeste, é uma experiência completa de imersão no mundo do Velho Oeste. Algo próximo a intenção do parque de Westworld, mas sem o sexo e a revolução dos anfitriões. A Rockstar já tinha proporcionado isso no primeiro jogo da franquia em 2010, no entanto agora ela foi ainda mais além nessa continuação, que na verdade é um prequel.

A grande genialidade da Rockstar é entregar um mundo aberto onde o jogador pode explorar da forma que quiser. Então aqueles interessados em seguir uma linha mais linear, basta se ater as missões principais que Red Dead Redemption 2 vai entregar uma experiência com o essencial que o jogo oferece. Mas aqueles que querem ser surpreendidos com o que o game oferece, sem muitas limitações, pode jogá-lo sem pressa como se fosse um sandbox e interagir da forma que quiser.

O jogo oferece as mais diversas atividades diferentes que podem ser realizadas, além de um enorme nível de personalização do personagem e de itens relacionados a ele. Temos missões que envolvem golpes e roubos, que resultam em troca de tiros, mas temos coisas mais “comuns” como ir caçar, pescar, cortar o cabelo, ir num teatro, entre outras. Alguns dos nossos porcolunistas com certeza iriam deixar a história principal de lado para apenas se concentrar em partidas de pôquer, ou então dominó, uma das novidades do novo game.

Contudo, a primeira coisa que chama a atenção em Red Dead Redemption 2 é o visual. Os gráficos impressionam pela beleza e pela incrível qualidade dos detalhes. Em muitos momentos o jogador vai ser sentir dentro de um filme de faroeste. A mudança das cutscenes para o modo normal de jogo são bem sutis, mas agora é possível observar a mudança da razão de aspecto da imagem. Quando a imagem reduz o tamanho que ocupa na tela de forma horizontal, é como se estivessemos saindo de um game para entrar em uma obra cinematográfica. O “modo cinema” é uma das novidades do novo game e a mudança para ele é bem fluída dentro do jogo.

Red Dead Redemption 2, foto

Uma outra novidade muito interessante do jogo são as tomadas de decisão. Agora o jogador pode decidir algumas coisas durante a partida. Por exemplo, logo no início Arthur Morgan, o protagonista do game, tem que definir se vai poupar ou não a vida de um personagem, então você que escolhe. Essas decisões não influenciam tanto na narrativa do jogo em si, mas são interessantes por deixar ainda maior o critério da forma de jogador de cada pessoa que entre no mundo de Red Dead Redemption 2. Muitas das missões são feitas em grupo ou com algum outro personagem, então é possível determinar como ela será realizada. É possível também escolher, em alguns momentos, o que seu personagem vai falar. Esse recurso aumenta ainda mais a imersão dentro do universo do jogo.

Isso também indica um novo caminho para o mundo dos games, onde seja possível estabelecer um jogo que consiga misturar elementos como ação, aventura, mundo aberto, mas em que o jogador também influencie diretamente no comportamento do personagem e possa decidir qual o caminho da narrativa que pretende seguir, misturando com o estilo de títulos como Until Dawn e Detroit Become Human.

A história também é um grande atrativo no jogo. Se no primeiro Red Dead Redemption nós acompanhamos a jornada de John Marston, que neste game é um personagem secundário, agora é a vez de conhecermos a sua antiga gangue comandada por Dutch van der Linde. No novo game é a vez de seguir Arthur Morgan, um dos membros do grupo. Inicialmente ele parece ser apenas um fora da lei/cowboy genérico, mas aos poucos conhecemos sua história e vemos um pouco da sua personalidade. Ele é um “homem mau”, mas que tem um bom coração. Então se em alguns momentos Arthur não hesita em matar alguém, depois ele está disposto a ajudar alguma pessoa.

A dinâmica entre o grupo de pessoas que segue fora da lei, como uma forma de lutar contra o “sistema” é muito interessante. A trama se passa 1899, então esse estilo de vida está com os dias contados. Eles sabem disso, mas estão dispostos a seguir dessa forma o máximo que puderem. A história começa com eles em fuga durante o inverno e fazendo de tudo para sobreviver. O jogo começa linear e apresenta lentamente como funciona a jogabilidade. A partir do momento que o grupo se estabelece em um determinado lugar é que Red Dead Redemption 2 oferece ao jogador a possibilidade de explorar o mundo aberto da forma que quiser.

A criatividade da Rockstar é fascinante em proporcionar ao jogador as mais diversas missões diferentes. Red Dead Redemption 2 é um jogo longo, mas em nenhum momento ele parece cansativo e muito menos repetitivo. Tudo bem, a maioria das missões envolve de certa forma o conflito e a troca de tiros. Contudo, a forma como o game apresenta seus objetivos é fantástico. Uma das missões mais sem noção e divertidas envolve simplesmente levar Arthur e um companheiro para um saloon, tomar todas e fazer um monte de besteiras, para depois acordar de ressaca no dia seguinte sem fazer a mínima idéia de como foi parar num determinado lugar.

A personalização dos elementos do game também são bem interessantes. Um detalhe importante é cuidar da saúde de Arthur. Então é necessário lembrar de se alimentar e dormir, para que seus recursos de vida se mantenham bem, como o fôlego para conseguir correr, ou os “olhos da morte”, que já existiam no game anterior, mas agora podem ir subindo de nível, aumentando sua durabilidade. Eles são responsáveis por um tipo de “câmera lenta” onde fica mais fácil para o jogador atirar com maior precisão, e quando o nível aumenta é possível mirar em órgãos vitais dos inimigos para derrotá-los mais facilmente. É essencial também cuidar do seu cavalo, incluindo alimentar e manter ele limpo. É possível dar um nome para o animal, adquirir acessórios, e o mais fundamental, criar um elo com ele, assim fica mais fácil de controlá-lo durante as longas cavalgadas.

As missões também envolvem ir do ponto A ao B, então as cavalgadas podem ser longas. Durante o percurso o jogo aproveita para apresentar elementos “aleatórios”, então surgem pessoas pedindo ajuda ou querendo te atacar, ou então animais. As surpresas são bem atraentes e dão ao game essa sensação de que qualquer coisa pode acontecer.

Red Dead Redemption 2, foto

Ao longo das cavalgadas é possível também aproveitar outro ponto de destaque do game: a trilha sonora. As músicas de Woody Jackson são maravilhosas e aumentam ainda mais a sensação de imersão no universo western. Impossível não achar estar dentro de um filme ao estar cavalgando durante um pôr-do-sol, por exemplo. Além de trilhas instrumentais, Red Dead Redemption 2 também tem músicas originais, que são muito boas e aparecem em momentos chaves da narrativa.

Em síntese, Red Dead Redemption 2 é mais um acerto da Rockstar, que entrega ao jogador uma experiência fascinante dentro do universo de faroeste. Aos poucos o game vai apresentando seus elementos e suas enormes possibilidades, assim como vai expandindo o seu mundo aberto. Assim cada jogador define como vai ser sua vivência dentro jogo e como ele vai aproveitá-lo. O importante é que não importa a forma, no final das contas todo terão o resultado incrível. O difícil vai ser conseguir sair dele e voltar para o mundo real.


Classificação:


Red Dead Redemption 2, capaRed Dead Redemption 2

Plataformas: PlayStation 4 e Xbox One
Produtora: Rockstar Games
Desenvolvedora: Rockstar Studios
Ano: 2018

Analista de sistemas nascido em Salvador (BA) em 1980, mas atualmente morando em Brasília (DF). Cinema é sem dúvidas o meu hobby favorito. Assisto a filmes desde pequeno influenciado principalmente por meus pais e meu avô materno. Em seguida vem a música, principalmente rock e pop.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *