Crítica | Meu Ex é um Espião

Meu Ex é um Espião é em essência um filme de espionagem, mas a dupla de protagonistas é de comediantes. Na verdade, o longa de Susanna Fogel mistura os gêneros de forma interessante, para não fazer uma simples paródia.

O início da obra-cinematográfica deixa bem claro essa dualidade quando acompanhamos Drew (Justin Theroux) fugindo de inimigos com uma imagem com tons cinzas e clima sério, enquanto ao mesmo tempo vemos Audrey (Mila Kunis) comemorando seu aniversário com sua melhor amiga Morgan (Kate McKinnon) em um ambiente mais colorido e clima descontraído. Aos poucos a diretora funde os tons chegando em um equilíbrio entre comédia e ação.

Audrey e Drew eram namorados, mas ele terminou o relacionamento de forma abrupta e impessoal por mensagem de celular. No entanto a moça não sabia que seu agora ex-namorado era um espião. Ele reaparece pedindo ajuda para que ela finalize uma missão e entregue um objeto misterioso em uma cidade da Europa. Assim Audrey se junta com Morgan em uma aventura perigosa como espiãs, sem se dar conta do real perigo que irão enfrentar.

A relação de amizade entre Audrey e Morgan é o que move a narrativa. Mila Kunis equilibra bem o papel de mocinha indefesa que aos pouco se transforma em uma espiã, sem deixar de lado que não faz a mínima idéia do que está fazendo. Já Kate McKinnon é o espírito non-sense cômico, responsável pelos momentos mais hilários do filme. A química entre as duas é muito boa e Kunis funciona bem como “escada” para as piadas de McKinnon.

Meu Ex é um Espião, foto

O roteiro escrito pela diretora junto com David Iserson tem noção do absurdo da sua narrativa, mas consegue criar uma história razoavelmente verossímil que equilibra bem entre ação e comédia. A trama brinca com a estrutura dos filmes de espionagem e oferece boas reviravoltas, além de visitar diversas cidades mantendo o clima internacional da história. O mais impressionante é como o enredo mantém uma coerência, apesar dos absurdos.

O filme também investe em algumas referências pop e um clima de nostalgia através da trilha sonora com pegada dos anos 1980, década que foi marcante com o exagero e absurdos de filmes de espionagem de James Bond.

Contudo o mais interessante de Meu Ex é um Espião é ser um filme dirigido e protagonizado por mulheres que explora bem o gênero de espionagem, que é totalmente dominado pelos homens, trazendo um pouco de frescor, e claro, feminilidade. Uma comédia bem divertida e que também funciona de forma eficaz como um longa de ação.


Uma frase: – Audrey: “Deus, eu matei uma pessoa. Eu matei uma pessoa.”

Uma cena: A “luta” entre Morgan e Nadedja no trapézio de um circo.

Uma curiosidade: Essa não é a primeira vez que Kate McKinnon e Mila Kunis trabalham na mesma produção. McKinnon fez uma participação especial emprestando sua voz a uma personagem no episódio “Peter’s Sister” de Uma Família da Pesada (1999-atual), série que conta com Kunis no elenco principal de dubladores.


Meu Ex é um Espião, cartazMeu Ex é um Espião (The Spy Who Dumped Me)

Direção: Susanna Fogel
Roteiro:
Susanna Fogel e David Iserson
Elenco: Mila Kunis, Kate McKinnon, Justin Theroux, Sam Heughan e Gillian Anderson
Gênero: Ação, Comédia, Aventura
Ano: 2018
Duração: 117 minutos

Analista de sistemas nascido em Salvador (BA) em 1980, mas atualmente morando em Brasília (DF). Cinema é sem dúvidas o meu hobby favorito. Assisto a filmes desde pequeno influenciado principalmente por meus pais e meu avô materno. Em seguida vem a música, principalmente rock e pop.

One thought on “Crítica | Meu Ex é um Espião”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *