Crítica | Esquadrão Suicida: Acerto de Contas

Esquadrão Suicida: Acertos de Contas é o primeiro filme do time de vilões, comandados pela severa Amanda Waller, dentro do novo universo animado da DC, iniciado em 2013 com Liga da Justiça: Ponto de Ignição (Justice League: The Flashpoint Paradox no original).

Existe um cartão mágico que garante a pessoa que o tiver, independente de sua índole, passe livre para o céu, quando morrer. Esse artefato mágico estava em posse do Senhor Destino, na época o fanfarrão Steel Maxum (personagem criado exclusivamente para o filme), que acabou perdendo-o para uma dupla de vilãs.

Esquadrão Suicida: Acerto de Contas, cartão mágico
Amanda Waller descobriu, através de uma missão cheia de reviravoltas, o possível paradeiro do item mágico, e decide enviar uma equipe formada por Pistoleiro, Arlequina, Nevasca, Tigre de Bronze, Capitão Bumerangue e Cobra Venenosa, para recupera-lo. Mas não é só ela que pretende obter passe livre para o céu, o vilão Professor Zoom (que tinha sido dado como morto nos eventos de Ponto de Ignição) e o imortal Vandal Savage também querem botar as mão nele.

O filme é repleto de todos os elementos que uma história do Esquadrão Suicida nos quadrinhos tem: membros da equipe morrendo, mentira, traição e humor (em sua maioria por parte da psique da Arlequina). Também é repleto de cenas com sangue (muito sangue) algo presente nas últimas animações desse universo animado (que parece mais sombrio do que o do desenho da Liga da Justiça/Liga da Justiça Sem Limites, por exemplo), o que sinceramente acho um pouco desnecessário em muitos momentos.

O ponto forte do longa é a interação dos personagens Pistoleiro e Tigre de Bronze, ambos tem motivos para estar ali, ainda que diferentes. O final dos dois, apesar de previsível em certa parte do filme, é muito bom. O desespero do Professor Zoom para conseguir o artefato também é interessante.

Esquadrão Suicida: Acerto de Contas acaba pecando por sacrificar um personagem que poderia ter muito potencial no futuro, mas ganha muitos pontos por mas é uma boa diversão, se você não quer algo muito Shakespeariano, algo só para passar um tempinho.  


Uma frase: “Quando o mundo precisa do melhor, eles chamam os piores.”

Uma cena: O último dialogo entre o Pistoleiro e o Tigre de Bronze.


Esquadrão Suicida: Acerto de Contas, cartazEsquadrão Suicida : Acerto de Contas (Suicide Squad : Hell to Pay)

Direção: Sam Liu
Roteiro: Alan Burnett
Elenco: Christian Slater (Pistoleiro), Vanessa Williams (Amanda Waller), Billy Brown (Tigre de Bronze), Liam McIntyre (Capitão Bumerangue), Tara Strong (Arlequina), Kristin Bauer van Straten (Nevasca), C. Thomas Howell (Professor Zoom), Gideon Emery (Cobra Venenosa), Jim Pirri (Conde Vertigo e Vandal Savage), Dania Ramirez (Scandal Savage)
Gênero: Animação, Ação
Ano: 2018
Duração: 86 minutos.

Gosto de animes, mangás, quadrinhos, tokusatsu e games. É a ferro e fogo!

One thought on “Crítica | Esquadrão Suicida: Acerto de Contas”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *