Crítica | Spielberg

Steven Spielberg talvez seja o diretor de cinema americano mais famoso e influente de todos os tempos. O documentário “Spielberg”, dirigido por Susan Lacy, faz um ótimo levantamento sobre a filmografia do cineasta com direito a imagens sobre seus principais filmes e depoimentos de amigos, parentes e também artistas que trabalharam com ele.

O longa faz uma análise interessante sobre sua filmografia, mostrando elementos de sua vida que influenciaram a sua obra. É fascinante acompanhar esse lado pessoal e perceber o quanto isso foi refletido em seus filmes. Por exemplo, os pais dele se separaram quando ele era criança, então lidar com o divórcio foi algo que marcou sua infância. Spielberg se distanciou do pai e os dois só se reaproximaram anos depois. Então, é curioso ver como o cineasta lidou com esse passado através de seus trabalhos.

A relação entre pai e filho pode ser observada em alguns de seus longas como: “E.T. – O Extraterrestre“, que mostra 3 irmãos lidando com o divórcio dos pais, e “Indiana Jones e a Última Cruzada”, que mostra o protagonista enfrentando sua figura paterna que esteve ausente durante toda a sua vida.

Para entender esse lado pessoal a diretora Susan Lacy entrevistou as irmãs de Spielberg e seus pais. Dessa forma ela conseguiu apresentar um ótimo perfil pessoal, com direito a fotos do arquivo da família. Desde a infância o pequeno Steven já mostrava seu amor ao cinema e já filmava suas primeiras imagens, então sua transformação em cineasta foi natural.

No início da carreira, Spielberg fazia parte um grupo de cineastas que revolucionou o cinema americano. Além do próprio, faziam parte Martin Scorsese, Francis Ford Coppola, George Lucas e Brian de Palma. Eles estavam sempre mostrando seus respectivos trabalhos uns para os outros, assim existia um tipo de “competição saudável” entre eles, com cada um querendo sempre surpreender e superar o outro. O relato deles deixa bastante claro a importância dessa amizade em seus próprios filmes.

Spielberg, foto

O documentário também entrevista muita gente que trabalhou com Spielberg, como tradicionais colaboradores, por exemplo o músico John Williams – responsável pela trilha sonora de quase todos os seus filmes. Temos também diversos atores que relatam a experiência de trabalhar com o diretor, dentre eles podemos citar Tom Hanks, Daniel Day-Lewis, Harrison Ford, Tom Cruise e muitos outros.

Além disso, temos também relatos de críticos de cinema que elogiam o trabalho do cineasta, e também de pessoas que foram totalmente influenciados pelos filmes de Spielberg, como o diretor J.J. Abrams.

Contudo o principal relato é o do próprio Spielberg. Ele conta ótimas histórias, tantos pessoais quanto sobre a realização de seus filmes. Em quase 2 horas e meia a diretora Susan Lacy consegue apresentar um ótimo perfil sobre o cineasta e sua filmografia como diretor.

Ficou faltando apenas falar mais sobre o lado produtor, envolvido em diversas áreas do entretenimento além do cinema, como televisão, restaurantes, parques de diversão e outros negócios. Mas o documentário consegue mostrar o quão “workaholic” ele é. Afinal de contas em quase 50 anos de carreira ele dirigiu mais 50 filmes, quase uma média de 1 por ano. Imagine que nesse meio tempo ele também produziu e se envolveu em diversos outros projetos. Seu ritmo de trabalho é impressionante, ainda mais considerando sua impressionante filmografia cheia de clássicos. Então mesmo quando eventualmente ele entrega um filme não tão bom, ainda sim é algo de qualidade.


Uma frase: – Steven Spielberg: “Sempre que eu começo uma cena nova eu fico nervoso, e quando isso se aproxima à pânico eu tenho grandes idéias.”

Uma cena: Spielberg contando como o diretor Brian de Palma sugeriu a George Lucas que colocasse uma introdução de texto para contextualizar o início de Star Wars – Uma Nova Esperança.

Uma curiosidade: Foram realizadas em torno de 30 horas de entrevista com Steven Spielberg.


Spielberg, cartazSpielberg

Direção: Susan Lacy
Elenco: Steven Spielberg, Martin Scorsese, J. J. Abrams, Francis Ford Coppola, George Lucas, A. O. Scott, John Williams, Brian de Palma, Richard Dreyfuss, Anne Spielberg, Nancy Spielberg, Sue Spielberg, Leah Adler e Arnold Spielberg
Gênero: Documentário, Biografia
Ano: 2017
Duração: 147 minutos

Analista de sistemas nascido em Salvador (BA) em 1980, mas atualmente morando em Brasília (DF). Cinema é sem dúvidas o meu hobby favorito. Assisto a filmes desde pequeno influenciado principalmente por meus pais e meu avô materno. Em seguida vem a música, principalmente rock e pop.

One thought on “Crítica | Spielberg”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *