Crítica | Elle (2016)

Quando um filme começa com um estupro, fica claro que a experiência será difícil. Elle mostra o potencial de Paul Verhoeven quando ele não está preso pelas amarras de Hollywood. E para fazer tudo funcionar, só mesmo com a atuação inesquecível de Isabelle Huppert.

Michele Leblanc é uma mulher forte. Ela é dona de uma desenvolvedora de jogos, sabe lidar com os atritos no trabalho e tem um passado brutal. Após ser estuprada em sua própria casa, ela passa a tomar alguns cuidados. Michele troca as fechaduras, vai em busca de armas e aceita a ajuda do vizinho eventualmente. Parece que estamos diante de alguém em busca de vingança, mas aos poucos vemos que ela também tem outros pensamentos.

A história tem uma pegada de thriller, mistério e suspense. Tudo isso temperado com violência, sexo e humor negro. O filme tem mais de duas horas e nunca se torna cansativo. Paul Verhoeven não economizou no seu lado provocativo e controverso aqui e encontrou uma parceria perfeita com Isabelle Huppert. Aliás, a atriz poderia muito bem ter levado o Oscar para casa ao invés de Emma Stone.

Elle não é para todos os públicos. Muitos podem torcer o nariz para o seu material pesado. Já adianto que irão perder um grande filme. É uma pena que o roteiro cometa alguns deslizes, como o excesso de personagens conflituosos e o final pouco empolgante. Também gostaria de ter mergulhado mais no passado sombrio de Michele e na sua relação com o pai.

Ainda assim, temos aqui um filme corajoso e impossível de ser assistido com passividade. Ele levanta polêmicas e impulsiona o debate, sem ser apelativo. É coisa para poucos.



Elle

Direção: Paul Verhoeven
Roteiro: David Birke
Elenco: Isabelle Huppert, Laurent Lafitte, Anne Consigny, Charles Berling, Judith Magre, Christian Berkel, Jonas Bloquet, Virginie Efira, Vimala Pons e Raphaël Lenglet
Gênero: Crime, Drama, Thriller
Ano: 2016
Duração: 130 minutos

Fã de sci-fi que gosta de expor suas opiniões por aí! Oinc!

2 thoughts on “Crítica | Elle (2016)

  1. Acho esse filme fantástico e acredito que o Oscar de melhor atriz foi DEVERAS injusto. Sei o quanto você curte La La Land (eu já acho um filme ~normal~, nada demais) e a queridinha que levou o Oscar, mas Isabelle foi MUITO mais atriz e merecia mais o prêmio.

    1. gosto bastante de La La Land e da atuação da Emma Stone, mas o trabalho de Isabelle Huppert foi muito mais complexo. A tarefa dela era anos-luz mais difícil. Sem dúvida merecia o Oscar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *