Review | Prison Break – 5×01: Ogygia

Diversos programas têm sido ressuscitados, entre eles está Prison Break, que está de volta 8 anos após o seu cancelamento. O programa retorna em formato de série limitada com apenas 9 episódios, mas será que era realmente necessário? Com certeza não, no entanto isso nunca foi um empecilho para o seriado. Ele foi criado pela Fox como “tapa buraco” durante o mid season de 24 Horas e teria inicialmente apenas 12 episódios. Só que o negócio teve uma boa audiência, então ganhou uma temporada completa e se “arrastou” por 4 temporadas.

Se tivesse terminado na 2ª temporada, talvez o programa pudesse ser considerado uma das melhores séries já feitas (exageros a parte). Era impressionante a capacidade de criar uma sensação de que os personagens chegaram a um dead end, isto é, um beco sem saída, deixando um gancho para se assistir o próximo episódio. E eis que Michael Scofield (Wentworth Miller) arruma uma solução para o problema de forma “mágica”.

Vale a pena recapitular um pouco a história de Prison Break. Em resumo Lincoln Burrows (Dominic Purcell) é preso injustamente por um crime o qual ele não cometeu e seu irmão Michael monta um plano mirabolante: tatua em seu corpo, de forma “camuflada”, a planta de prisão, comete um crime para ser levado para o mesmo presídio que seu irmão, pretendendo executar um plano para fugir de lá. Eles se envolvem com outros presos e funcionários da prisão conseguindo fugir no final da 1ª temporada. Então na 2ª temos um grupo de fugitivos tentando escapar da polícia. Na 3ª a fórmula “fuga da prisão” retorna, dessa vez em um país diferente, enquanto na  eles viram uma “família” que realiza missões para ter seu nome limpo na justiça, algo bastante similar a franquia Velozes e Furiosos.

O grande problema foi saber como terminar e Prison Break conseguiu finalizar de maneira razoavelmente satisfatória. Mas na tentativa de lucrar mais um pouco com a franquia, fizeram um episódio especial chamado “ Prison Break: The Final Break”  onde os irmãos montam um plano para tirar Sara (Sarah Wayne Callies) – namorada de Michael – da prisão, repetindo a fórmula da 1ª temporada. Para piorar, esse novo final transformou os personagens novamente em fugitivos da polícia e não deu uma explicação melhor sobre a morte de Scofield.

Aviso de SPOILERS

Os comentários a seguir falam sobre acontecimentos encontrados em Ogygia, o primeiro episódio da quinta temporada de Prison Break.

A volta de Prison Break desafia todos os limites de verossimilhança e é necessário por parte do espectador realizar um verdadeiro “salto de fé” – estilo Assassin´s Creed – para abstrair todos os absurdos da história.

Michael está vivo e agora está em uma prisão no Iêmen chamada Ogygia. Ele sumiu nos últimos 7 anos deixando a família e um filho para trás. O motivo? Esse é o grande mistério e premissa dessa nova temporada. A curiosidade mórbida em saber onde isso vai parar é a única motivação em querer continuar assistindo o programa. O pior é que esse primeiro episódio ainda guarda a aparição do personagem como um grande trunfo para o final que simplesmente não funciona, como se ele fosse o Luke Skywalker de O Despertar da Força [2].

Primeiro encontramos com Lincoln fugindo de um grupo, aparentemente por uma dívida de dinheiro. Ao chegar em casa ele encontra com Theodore “T-Bag” Bagwell (Robert Knepper), que foi liberado da prisão sem nenhuma explicação, com uma correspondência contendo uma pista de que Michael está vivo. É claro que Burrows não acredita que isso é possível e, mesmo achando ser alguma armadilha de T-Bag, resolve investigar.

O primeiro passo é ir atrás de Sara, que agora está casada com outro homem e cria o filho que ela teve com Michael. Ela também não acredita na possibilidade do seu antigo amor estar vivo. Então Lincoln tem a “brilhante” idéia de desenterrar o caixão do seu irmão, para – pausa dramática – descobrir que está vazio (!?).

Pronto, está aberta a caça a Michael para descobrir o motivo do seu sumiço. O primeiro passo é descobrir onde ele está e a primeira pista é a palavra Ogygia, encontrada em um papel dentro do caixão. Em uma rápida busca no Google, Lincoln descobre que é uma prisão no Iêmen. Então ele resolve ir em um templo muçulmano e por acaso encontra Benjamin Miles “C-Note” Franklin (Rockmond Dunbar), que se converteu ao islamismo e se oferece para ajudar.

É óbvio que estamos diante de uma grande conspiração absurda mais uma vez envolvendo os irmãos Michael e Lincoln. O roteiro do episódio, escrito pelo criador da série Paul Scheuring, é muito preguiçoso e ruim em desenvolver esse clima de mistério. Um dos momentos mais constrangedores de “Ogygia” é quando o carro de Burrows “ganha vida” e começa a se deslocar sozinho. Em um momento anterior o personagem tinha suspeitado estar sendo vigiado e justamente o carro que ele tinha visto antes aparece novamente ao seu lado quando isso acontece. E não é que – surpresa – ele realmente estava sendo observado. O momento acaba com o carro caindo de um barranco enquanto o personagem “sai voando” de dentro do veículo sobrevivendo “magicamente”, enquanto a pessoa que estava por trás do “ataque” dá uma olhadinha no local e vai embora sem ter a certeza absoluta que seu plano de matar o cara tinha dado certo. Ridículo!

Infelizmente esse não é o único momento constrangedor do episódio. A “invasão” da casa de Sara, adicionando mais um elemento “conspiratório” a trama, mais parece uma tentativa de dar um “sustinho” na personagem. Quem leva a pior é o marido dela que recebe um tiro e vai parar no hospital. Mas sem dúvidas o pior momento é a “emboscada” sofrida por Lincoln e C-Note ao chegar no Iêmen. O resultado é uma cena de luta horrorosa e tosca, totalmente fake. Para fechar, Fernando Sucre (Amaury Nolasco) aparece do nada no aeroporto antes do embarque de forma gratuita só para dar um oi e querendo ajudar, mas é descartado por Burrows. Vamos ver se ele vai aparecer novamente nos outros episódios.

Chegamos então ao momento final do episódio em que temos uma grande revelação: Michael trocou de identidade e diz não reconhecer Lincoln. Seu nome agora é Kaniel Outis – nome do próximo episódio. Bate uma curiosidade mórbida em querer continuar assistindo o seriado para saber onde esse absurdo vai parar, mas o que foi mostrado até agora não é nem um pouco animador. Conhecendo o que já foi feito com a série o mais provável é que o desenrolar da trama deixe bastante a desejar.

O que fazer então com a curiosidade? Esse é um grande dilema…



 Prison Break

Temporada:
Episódio: 01
Título: Ogygia
Roteiro: Paul Scheuring
Direção: Nelson McCormick
Elenco: Wentworth Miller, Dominic Purcell, Sarah Wayne Callies, Paul Adelstein, Rockmond Dunbar, Robert Knepper, Amaury Nolasco, Mark Feuerstein, Inbar Lavi e Augustus Prew
Exibição original: 04 de Abril de 2017 – Fox

One thought on “Review | Prison Break – 5×01: Ogygia”

  1. prison break é uma aventura fantástica nós jovens moçambicanos adoramos curtimos muitos as series até nos inspiramos neles nas nossas brincadeiras

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *