Crítica | Um Limite Entre Nós

Adaptação de uma peça escrita por August Wilson, Um Limite Entre Nós não está exatamente preocupado em esconder suas origens. É necessário uma certa dose de paciência para nos acostumarmos com o estilo que o diretor Denzel Washington emprega neste filme. Ele até tenta aumentar o dinamismo com movimentos de câmera e alguns enquadramentos criativos, sem muito sucesso.

A boa notícia é que August Wilson era muito bom no que fazia e os diálogos envolventes são prova disso. Para fazer um filme repleto de diálogos e que se passa basicamente em um mesmo cenário funcionar é necessário atores de qualidade. Denzel Washington e Viola Davis dão conta do recado.

Denzel Washington interpreta um pai de família amargurado, que não consegue passar um dia sem reclamar de alguma coisa. Claro, ele teve um passado difícil, mas suas atitudes impedem que criemos um grau de empatia mais elevado. A maneira com que ele vai minando as esperanças do filho de ter um futuro melhor chega a ser dolorosa de se ver.

Um Limite Entre Nós mostra essa família afrodescendente vivendo com dificuldades nos Estados Unidos do anos 1950. O dinheiro contado é fruto do suor de cada dia. E Troy faz questão de deixar claro que ele é moralmente obrigado a botar comida na mesa. Gostar do filho não é sua obrigação.

Longas sequências com diálogos primorosos são a tônica do filme. É interessante notar como de uma hora para outra uma conversa que parecia amistosa ganha contornos agressivos. Troy é cabeça dura demais para aceitar certas coisas.

Um Limite Entre Nós é um bom filme e só. Ele se sustenta graças as atuações de destaque de Denzel Washington e Viola Davis, mas confesso que me pareceu uma experiência vazia, que vai do anda a lugar nenhum e ainda termina com um tom piegas. A dificuldade de se aproveitar a linguagem do cinema também é outro erro crasso. A indicação ao Oscar não se justifica.


Uma frase: “Que lei diz que eu devo gostar de você?”

Uma curiosidade: Denzel Washington atuou 114 vezes na peça que deu origem ao filme.

.

.

.



Um Limite Entre Nós (Fences)

Direção: Denzel Washington
Roteiro: August Wilson
Elenco: Denzel Washington, Viola Davis, Stephen Henderson
Gênero: Drama
Ano: 2016
Duração: 139 minutos.
Info: IMDb

2 thoughts on “Crítica | Um Limite Entre Nós”

  1. Parece unânime, pelo menos nas críticas que ando lendo, que, realmente, o grande defeito de “Um Limite Entre Nós” – se é que podemos chamar isso de defeito – é o fato de a direção ser teatral demais.

    1. Sim, o principal problema é ser teatral demais. Mas ele não deixa os diálogos fluirem bem como cinema. A direção de Washington deixa a desejar com movimentos de câmera que tentam dar um ritmo, mas parecem meio óbvios.
      O grande destaque são as atuações, principalmente Viola. Ela está fantástica!
      Não diria que é uma experiência totalmente vazia porque os diálogos são excelentes e as atuações também.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *