Clássicos | Romance na Itália (1954)

O diretor Roberto Rossellini havia me chamado a atenção com o neorrealista Roma, Cidade Aberta. Com grandes expectativas, fui conferir Romance na Itália. Este é um daqueles casos de bons e quase esquecidos filmes. Não digo que seja uma experiência essencial para os amantes do cinema, mas é uma obra elegante, dona de diálogos precisos e capaz de despertar variadas sensações.

Quando foi lançado, Romance na Itália foi mal recebido pelo público e crítica. Ele precisou ser exaltado pelo pessoal da Cahiers du Cinéma para ganhar notoriedade. De maneira um tanto exagerada, foi considerado por eles como um dos melhores filmes de todos os tempos.

Catherine e Alexander partem em uma viagem de carro até Nápoles. O casal recebeu uma mansão de herança de um tio e tem o objetivo de vendê-la. Com esse tempo juntos, eles percebem que não estão exatamente conectados. Já se passaram 8 anos de casamento e sentem que não se conhecem direito. Essa é uma história de um casamento em crise. Uma história de duas pessoas que se distanciaram e que tem uma oportunidade de reaproximarem-se.

Tendo o mediterrâneo como pano de fundo, Catherine e Alexander flertam com outras pessoas, demonstram ciúmes, relembram antigos amores e cogitam embarcar em novas aventuras. A ruptura do casal parece inevitável.

Romance na Itália não se destaca pelo enredo simplista, mas sim pelos diálogos escritos com maestria, pelos simbolismos e por nos transportar para lugares incríveis e cheios de significado junto com Catherine, uma verdadeira turista.  Aliás, é fácil perceber os motivos que fizeram de Ingrid Bergman uma das melhores atrizes do cinema.

Mas nem tudo é perfeito. Senti falta de um impacto no final e de uma atuação masculina mais inspirada. Nada que tire o brilho da poesia agridoce que Roberto Rossellini nos oferece.


Uma frase: – Eu queria que você descansasse. Não me ocorreu que seria tão entediante para você ficar sozinho comigo. – O que isso tem a ver? Estou entediado porque não tenho nada para fazer. 

Uma cena: A personagem de Ingrid Bergman e seus passeios pelas atrações de Nápoles. 

Uma curiosidade: O hotel que aparece aqui foi usado também em The Sopranos.

.



romance-na-italia-cartazRomance na Itália (Viaggio in Italia)

Direção: Roberto Rossellini
Roteiro: Vitaliano Brancati, Roberto Rossellini
Elenco: Ingrid Bergman, George Sanderts
Gênero: Drama/Romance
Ano: 1954
Duração: 85 minutos
Info: IMDb

 

Fã de sci-fi que gosta de expor suas opiniões por aí! Oinc!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *