Resenha de Livro | A Última Viagem do Lusitania

No dia primeiro de maio de 1915, o transatlântico Lusitania partia de Nova York para Liverpool. Esta seria sua última viagem. Considerado como um dos maiores desastres marítimos de todos os tempos, a história do Lusitania é desconhecida por boa parte das pessoas. O jornalista Erik Larson realizou uma pesquisa exaustiva. Ele se aprofundou no assunto e trouxe para o público vários detalhes do naufrágio e do contexto em que ele ocorreu. Tudo com uma linguagem acessível.

Este é um romance de não ficção cujo desfecho sabemos de antemão, mas mesmo assim o suspense se faz presente. As escolhas narrativas de Larson contribuem para isso. O autor alterna o foco a cada capitulo do livro, contemplando o Lusitania e seus passageiros, o submarino alemão que o afundou, a sala 40 e seu trabalho de espionagem e até mesmo o presidente americano da época, Woodrow Wilson.

Alguns personagens são bem desenvolvidos, nos dando uma noção de como era fazer uma viagem dessas em meio a uma guerra mundial. Como não temer a promessa dos alemães de que afundariam qualquer embarcação que entrasse na zona de guerra? Fazer essa jornada era um ato de coragem. Ou loucura.

Fica claro que uma junção de fatores levou ao trágico fim do Lusitania. Algumas situações poderiam ter sido evitadas e outras eram imprevisíveis. Infelizmente, isso resultou na morte de quase 1200 pessoas.

Erik Larson nos transporta para aquela época e nos faz compreender as circunstâncias do naufrágio. Tal história era importante e grandiosa demais para cair no esquecimento. Graças a este livro, a memória do Lusitânia e dos passageiros irá sobreviver para sempre E não duvido que logo alguém vai transformar esse material em um filme. Será interessante.

A Última Viagem do Lusitania

Fã de sci-fi que gosta de expor suas opiniões por aí! Oinc!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *