Crítica | Últimos Dias no Deserto (2015)

Vamos deixar claro uma coisa já no primeiro parágrafo: este review sobre Últimos Dias no Deserto é um review laico. Trata-se de uma simples análise sobre o que o filme oferece em termos cinematográficos, nada mais do que isso.

A trama de Últimos Dias no Deserto contempla o tempo que Jesus passou no deserto em busca de respostas e orientações. Temos aqui um Jesus humano, enfrentando as intempéries, jejuando e refletindo. Ele também se depara com o diabo e seus conselhos dúbios. Em suas andanças, Jesus se aproxima de uma família que vive em conflito e tenta ajudá-los de alguma maneira. Algo que irá se revelar extremamente difícil.

Infelizmente, este é um daqueles casos de filmes em que aparentemente nada acontece. Ficamos aguardando uma mensagem impactante ou alguma situação capaz de despertar emoções genuínas. Em vão.

Se há algo que podemos elogiar é a fotografia evocativa de Emmanuel Lubezki. Ele consegue transmitir a beleza e os perigos do deserto com eficiência.

Nem mesmo a atuação de Ewan McGregor tem algo de especial. É um trabalho no máximo correto. Chego a conclusão que o ator não foi capaz de brilhar justamente pelo roteiro fraco. Falando em roteiro, ele chega no fundo do poço nos patéticos 10 minutos finais, que fogem totalmente do objetivo do filme.

Aliás, será que Rodrigo Garcia (filho de Gabriel García Márquez) tinha um objetivo definido ao filmar Últimos Dias no Deserto? Parece que não.

 


Uma frase: Sem citações marcantes.

Uma cena: Jesus sofrendo com o frio do deserto, à noite. 

Uma curiosidade: Ewan McGregor é o terceiro ator que fez parte do elenco da franquia Star Wars que interpretou Jesus Cristo.

.



ultimos-dias-no-deserto-cartazÚltimos Dias no Deserto (Last Days in the Desert)

Direção: Rodrigo García
Roteiro: Rodrigo García
Elenco: Ewan McGregor, Ciarán Hinds, Tye Sheridan
Gênero: Drama/História
Ano: 2015
Duração: 98 minutos
IMDb

One thought on “Crítica | Últimos Dias no Deserto (2015)”

  1. Impressionante como produções assim são financiadas. Confesso que nem sabia da existência deste aqui e, apesar da sua análise, fiquei até curioso em assistir hahahah

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *