Crítica | Voando Alto (Eddie the Eagle, 2016)

Baseado em fatos reais, Voando Alto é um daqueles filmes que mesmo possuindo vários clichês e certa previsibilidade, conseguem nos envolver e nos deixar com um sorriso de satisfação no rosto ao final da experiência.

Desde a infância Eddie se arriscava nos mais diversos esportes e ambicionava participar dos jogos olímpicos. Colecionando decepções e machucados, percebeu que não havia chances de representar o seu país em nenhuma modalidade. Isso pareceu mudar quando ele foi apresentado ao salto em esqui e a existência das olimpíadas de inverno.

Não que ele fosse bom. A verdade é que a Inglaterra não tinha nenhuma tradição nesse esporte, bastando para Eddie conseguir realizar um salto sem cair, basicamente.

Mas a tarefa estava longe de ser fácil.

A direção de Dexter Fletcher é capaz de nos passar as dificuldades e a tensão dos saltos. Com cenas lindas em meio a neve e a vários metros de altura, a parte técnica surpreende positivamente. Só não conseguimos confirmar se Eddie era corajoso ou louco.

Graças ao carisma de Taron Egerton e a uma história inspiradora, conseguimos não nos importar tanto assim com as falhas do filme.

Voando Alto reserva bons momentos de humor e uma digna história de superação. Não posso esquecer de comentar sobre uma referência ao clássico de sessão da tarde ‘Jamaica Abaixo de Zero’, que também tem as olimpíadas de inverno de 1988 como pano de fundo.

Se bater a saudade das olimpíadas do Rio 2016, eis uma boa opção. Voando Alto mostra com alegria e sensibilidade que o importante é mesmo competir.


Uma frase: – Alguma dica? – Não morra. 

Uma cena: Eddie no alto da rampa de 40 metros pela primeira vez.

Uma curiosidade: O produtor Matthew Vaughn disse: “Quem inventou o salto em esqui era louco. Não existe nenhuma lógica em fazer isso.”

.



voando-altoVoando Alto (Eddie the Eagle)

Direção: Dexter Fletcher
Roteiro: Sean Macaulay, Simon Kelton
Elenco: Taron Egerton, Hugh Jackman, Tom Costello
Gênero: Biografia/Comédia/Drama/Esportes
Ano: 2016
Duração: 106 minutos
IMDb

 

Fã de sci-fi que gosta de expor suas opiniões por aí! Oinc!

One thought on “Crítica | Voando Alto (Eddie the Eagle, 2016)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *