Crítica | Pegando Fogo (Burnt)

Pegando Fogo é o típico filme 3 estrelas, não as 3 estrelas da Michelin que o protagonista tanto deseja alcançar, mas aquelas 3 estrelas (aqui em nosso chiqueiro bacons, ou melhor, Kevin Bacons) de um total de 5 que diz que sim, é um bom filme, mas não é daqueles que vai mudar a sua vida.

A trama acompanha a jornada do Chef de cozinha Adam Jones (Bradley Cooper) que já foi um dos mais respeitados em Paris mas o envolvimento com drogas e álcool acabou o levando ladeira abaixo. Após um período de introspecção e auto-punição em New Orleans, ele vai para Londres disposto a conseguir a tão sonhada terceira estrela da Michelin, o Oscar da culinária.

Pegando Fogo entra na moda atual da cultura ‘food porn‘ e é mais uma daquelas obras capazes de deixar os espectadores com fome, ainda mais por ser ambientado na linha dos restaurantes de altíssimo padrão. Nesse quesito, o filme é muito bem conduzido. Fica a sensação de que se está mesmo dentro de uma cozinha que está, a todo instante, literalmente, pegando fogo (tinha que usar esse trocadilho infame, perdão).

O elenco é bom, além do Bradley temos as presenças marcantes da Emma Thompson (ela faz a psicóloga), Daniel Bhrül que interpreta o Maitre e fiel escudeiro de Adam Jones e na equipe da cozinha, onde todos estão muito bem, os destaques ficam para Sienna Miller e Omar Sy. As interpretações estão num nível alto, entretanto os personagens são bastante comuns.

Cortar cebolas nunca é fácil
Cortar cebolas nunca é fácil

Não existe muito espaço para discutir o filme dirigido por John Wells, Pegando Fogo é mais uma daquelas obras que deverão em breve serem esquecidas. Seguindo um caminho previsível, fica fácil o espectador saber de antemão todo o desenrolar da história que abusa da receita padrão para obras deste gênero. Até mesmo a inserção de elementos de um romance surgem para ‘apimentar’ a jornada do sujeito quebrado e de um passado falho que busca redenção com a sua arte.

Vale a pena, vale o seu ingresso? Bom, para quem for se aventurar encontrará um filme agradável de ser visto e uma jornada que, ainda que não traga grandes reviravoltas, caminha num bom ritmo e traz atuações interessantes. Pegando Fogo não vale as 3 estrelas da Michelin, mas está longe de causar indigestão.


Pegando Fogo (Burnt, 2015 – 102 min)
Drama, Comédia

Direção: John Wells
Roteiro: Steven Knight
Elenco: Bradley Cooper, Sienna Miller, Daniel Bhrül, Emma Thompson, Omar Sy, Matthew Rys, Uma Thruman, Alicia Vikander, Lily James e Sarah Greene.

 

4 thoughts on “Crítica | Pegando Fogo (Burnt)”

  1. É um filme razoável como bem resumido por você. Para os amantes de culinária pode ser um atrativo a mais, para quem não liga para isso sobra pouco para convencer de que vale à pena assistir.

  2. Em tempos em que programas culinários viraram febre no mundo inteiro, estava demorando para um filme como “Pegando Fogo” surgisse!

    1. Demorou mesmo, mas ainda acho que no ramo da culinário um recente que foi mais divertido e interessante foi o filme Chef!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *