Crítica | Amnésia – Memento

Amnésia[i] me fez descobrir Christopher Nolan lá nos anos 2000. Quando me acostumei a técnica proposta pelo diretor e deixei de tentar entender a história, aí sim, entendi a história. Como isso é possível? Não há como explicar a não ser pela experiência de assistir a um filme que considero uma verdadeira aula de roteiro, direção e edição. Não vejo como imaginar a a concepção da ideia chegando a mente do roteirista[ii] – o próprio Nolan – e virando um roteiro de um filme que te apresenta uma forma inacreditável de contar uma história.

Com uma visão superficial somos apresentados a história de Leonard (Guy Pearce [iii]), um homem que viu sua esposa ser estuprada e morta dentro da própria casa e na tentativa de salvá-la, foi agredido na cabeça o que lhe causou um problema sério de memória recente. Ele não consegue guardar nenhuma lembrança após essa agressão. O diferencial de Amnésia é que a história é contada de trás pra frente e o público começa a assistir ao final e todas as cenas começam no final cena seguinte. Confuso? A princípio sim, mas na terceira cena você já está familiarizado com a narrativa e com vontade de saber ainda mais da história.

guy-pearce-and-carrie-anne-moss-in-memento

A vida de Leonard é uma montanha russa de sentimentos e isso faz da vida dele um inferno. Suas memórias duram pouquíssimo então é como se ele, a cada 15 minutos, lembrasse que a esposa acabou de morrer pois é esta sua ultima memória e a ferida nunca cicatriz, é como se a vida dele tivesse parado exatamente naquele momento. Uma forma que ele encontrou para seguir em frente e motivar-se a viver foi descobrir quem foram os marginais que atacaram a esposa e assim se vingar. Entendendo que é um alvo fácil para os trapaceiros que podem entrar no seu caminho, Leonard tatuou no seu corpo informações importantes e também utiliza-se de fotos polaroid para identificar pessoas, o hotel onde está hospedado ou até mesmo o seu carro.

O verdadeiro caos e loucura que é a vida de Leonard é passado para o público de maneira brilhante. Saber como o filme acaba (é a primeira cena) não muda em nada a ansiedade de chegar ao início dos acontecimentos e saber quem é quem naquele jogo doentio. O que é verdade? Em quem confiar quando não se lembra de nada? Como nós também não sabemos o que aconteceu no momento anterior também somos Leonard e o caos que é sua mente. Interessante é que enquanto vamos acompanhando, de trás pra frente, o quebra cabeças da vida do protagonista também conhecemos a história de outro personagem com um problema similar ao dele, Sammy Jakins e como a vida dos dois vão se cruzar no momento chave do filme.

Memento e a Polaroid

São poucos os filmes que utilizam a técnica de contar uma história de trás pra frente com tanta maestria; outro exemplo disso é Irreversible de Gaspar Noé, duríssimo mas brilhante.  A montagem de Amnésia, feita por Dody Dorn, é uma das coisas que levam esta obra a um patamar acima e, caso fosse entregue a alguém menos talentoso, poderia levar o filme todo para o buraco. Claro que não vou ignorar o trabalho de Nolan e também do Guy Pearce que faz um Leonard enlouquecido, perdido e com um ar trágico que só nos faz pensar em um único caminho: a loucura.


[i] O título em português não é correto pois o personagem Leonard não possui amnésia. Ele não consegue lembrar de momentos posteriores ao trauma cerebral. É como se a cada 15 minutos ele voltasse ao momento que sofreu o ataque.

[ii] Em meados de 1996,  Jonathan Nolan contou ao irmão sobre a história que tinha criado: um paciente psiquiátrico que ao ver a mulher ser assassinada decide se vingar e ele também sofre com perda de memória recente fazendo tatuagens com informações sobre o crime. Christopher convence o irmão a escrever a história mas é dele a ideia de fazer o filme contando a história ao contrário.

[iii] Quem faria o papel de Leonard seria Brad Pitt mas ele precisou sair do projeto por conta de incompatibilidade de agendas. Outros nomes chegaram a ser sondados como Aaron Eckhart e Thomas Jane mas Nolan ficou muito impressionado com Guy Pearce que acabou levando o papel.


 

Título original: Mementomemento
Título no Brasil: Amnésia
Ano de lançamento: 2000
Gênero: Thriller
Duração: 113 minutos
Diretor: Christopher Nolan
Roteiro:  Christopher Nolan e Jonathan Nolan
Elenco:  Guy Pearce, Carrie-Anne Moss, Joe Pantoliano, Jorja Fox

Uma criatura meio doida que lembra a irmã do Ferris Bueller, finge que é nerd, adora filmes de terror mas tem medo de comédias românticas.

4 thoughts on “Crítica | Amnésia – Memento

  1. Excelente texto, como de praxe Dani.

    Esse é o tipo de filme que mudou umas 6 chavinhas na minha cabeça hehehe. É o tipo de obra fora da curva que só, de tempos em tempos, surge nos cinemas.

    Lembro que anos depois vi com Ramon na casa dele a versão no DVD do filme na “ordem correta”. hahahaha Você não entende nada, a ordem “errada” é a certa hehehe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *