Horas de Desespero – 2015

A primeira coisa que me veio a cabeça ao me deparar com o cartaz de Horas de Desespero: “Owen Wilson fazendo um thriller?” A curiosidade e expectativa de uma boa surpresa me levaram a assistir a esse filme pois, se o Jim Carrey conseguiu algo espetacular em Brilho Eterno de Mente Sem Lembranças ou até o Adam Sandler fez o impossível em Reine Sobre Mim, porque não o Owen Wilson? Se esta era a oportunidade de vê-lo em uma modalidade diferente da comédia ou do formato indie da direção de Wes Anderson, eu estava preparada!

Em Horas de Desespero somos apresentados a Jack Dwyer, que após uma derrocada na empresa em que era sócio nos EUA, recebe uma tentadora proposta de trabalho do outro lado do mundo. Ele embarca com a esposa e as duas filhas do casal para um país do leste asiático, chegando exatamente no momento em que o local sofre um golpe de estado e a ordem é caçar os estrangeiros. Este background é muito interessante e dá um milhão de possibilidades, podendo um filme de ação se tornar facilmente um terror psicológico na vida daquelas pessoas. O que você faria se estivesse em um país pela primeira vez, onde não fala a língua local, não conhece absolutamente nenhum lugar mas precisa fugir com sua esposa e filhas pequenas para salvar suas vidas?

No-Escape

O caos se instaura na vida de Jack logo nos primeiros 20 minutos de filme onde somos apresentados a sequências de ação muito boas, construídas para nos deixar com o coração na mão e torcendo para que ele consiga sair daquelas situações. Logo que ele percebe o que está acontecendo na cidade e se vê preso no meio de um confronto no melhor estilo Cidade de Deus, entendemos a gravidade e a enrascada na qual ele se meteu. As cenas a seguir são de pura tensão e quando a família se encontra presa em um terraço e toma algumas decisões bem difíceis, você respira fundo algumas vezes. Além das sequências de ação, o ponto forte do filme pode se dizer que é o personagem de Owen Wilson mostrando-se um homem racional, toma decisões difíceis, é autoritário quando necessário e, principalmente, não banca o herói de forma tola.

Infelizmente nem tudo vai por esse caminho. Até agora ainda me pergunto qual a necessidade do Pierce Brosnan estar no filme. Será que existia a necessidade de um nome mais forte nesse contexto dos filmes de ação para dar credibilidade ao longa? Em Horas de Desespero ele simplesmente aparece como um personagem secundário, cuja única função é explicar ao Jack o que está acontecendo no país e como os estrangeiros são culpados pela situação atual. Essa necessidade de explicar tudo ao espectador tirou uma boa parte do contexto no filme. O terror era exatamente a falta de informação, a impossibilidade de comunicação até o herói chegar com suas explicações e indicações do melhor caminho a ser tomado. Toda a cena de introdução ao golpe e o personagem do Pierce Brosnam poderiam ser retirados do filme sem nenhuma falta.

Algumas pessoas se mostraram incomodadas com o fato das filhas de Jack serem chatas e birrentas. Já na minha opinião o comportamento delas é condizente com a idade e a situação inusitada que estão passando. Elas tem medo, não querem fazer o que os pais pedem, querem ir ao banheiro nas horas mais difíceis, choram e não salvam o dia. Crianças heroínas, superdotadas, corajosas ou mini adultas, isso sim não acredito que seja coerente.  Em contrapartida, Annie, esposa de Jack, faz declarações totalmente preconceituosas e sem nenhum proposito no filme  citando o local de “terceiro mundo“.  Apesar dos tropeços, Horas de Desespero é um filme de ação que vale a pena principalmente pelos primeiros 40 minutos e por um Owen Wilson bem diferente do que você já viu por aí.


Filme: No escape No escape

Direção: John Erick Dowdle

ElencoLake Bell, Pierce Brosnan, Owen Wilson

Sinopse: Jack Dwyer não tinha como saber ou sequer como esperar que, ao desembarcar no país ao sul do Leste Asiático, que seria seu novo lar e seu novo trabalho, iria colocar a vida de sua família e a sua própria em grande risco: no mesmo dia acontece um violento Golpe de Estado.

One thought on “Horas de Desespero – 2015”

  1. Eu vi o cartaz do filme e fiquei um pouco curioso. Tô com muita coisa acumulada no cinema pra assistir mais “importante”. Se sobrar tempo e o filme durar mais de 1 semana em cartaz quem sabe não dou uma chance a ele.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *