A Nostalgia Era Melhor Antigamente: O Inferno de Noturno

Seja bem vindo à coluna A Nostalgia Era Melhor Antigamente, onde eu analiso histórias em quadrinhos dos anos 80 e 90 e todos fingimos que isso é algo razoável e sadio.

No episódio de hoje vamos revisitar uma história dos X-Men da fase Chris Claremont, na qual descobriremos que os anos oitenta eram bem mais tolerantes com relacionamentos pouco ortodoxos, que os castigos maternos eram bem mais severos que hoje em dia e, acima de tudo, que Colossus é um tremendo imbecil.

O Inferno de Noturno

(originalmente publicada no Brasil em Superaventuras Marvel 35)

Nossa história começa com a festa de aniversário surpresa do personagem que aproveitou a saída do Fera para entrar nos X-Men pela cota para membros azuis, a qual tem apenas cinco convidados, mas uma notável quantidade de caixas de presente.

Tudo bem que Wolverine não queira cantar parabéns, é direito dele, mas custava pelo menos bater palmas para acompanhar? Aliás, por que só Kitty parece estar batendo palmas? Não quero soar racista, mas essa festa de aniversário mutante é meio esquisita, em vez de bater palmas o povo fica estendendo o braço para o lado, parecendo modelo em stand no salão do automóvel.

Natal tá chegando, vou dar fotos minhas de presente para todos meus amigos
Natal tá chegando, vou dar fotos minhas de presente para todos os meus amigos

Mas o importante é que o aniversariante ficou feliz com o gesto e parece genuinamente surpreso, não tendo desconfiado nem por um momento que havia algo de estranho em escolherem o demônio azul com orelhas de elfo e rabo para resolver assuntos (presumivelmente) fora de casa.

Se bem que essa felicidade deve ter diminuído um pouco quando ele abriu os presentes e percebeu que quantidade não quer dizer qualidade. Além de uma camisa amarela de bolinhas estilo Zé Bonitinho, Noturno ganhou halteres, binóculos e… um porta-retratos gigante com a foto de Wolverine? Mas hein?!

Aliás, falando no carcaju, que diabo é isso que ele está comendo? Pô, Wolverine, tudo bem que o Universo Marvel tem a Terra Selvagem e eu sei que é uma ocasião especial, mas acho vacilo você matar um bicho já extinto só para servir coxa de brontossauro no aniversário do seu amigo.

De todo modo, não há tempo para lamentar nem arrumar amigos melhores, pois o último dos “presentes” é na verdade uma armadilha que explode bem na cara do nosso herói!

Sim, Colossus, obrigado por narrar o que todos na sala acabaram de ver
Sim, Colossus, obrigado por narrar o que todos na sala acabaram de ver

Por sinal, eu preciso enfatizar isso: algum vilão teve o cuidado de esculpir uma delicada estátua de cristal, embrulhar numa caixa de presentes, de alguma forma entrar na Escola Xavier sem ser notado e colocá-la junto às demais lembranças. Há que se admirar o comprometimento desse cara com os detalhes.

Depois da explosão, Kurt é levado às pressas para a enfermaria da escola em vez de, sei lá, um hospital, mas acaba não resistindo, o que não deveria ser surpresa nenhuma já que seu atendimento foi feito por duas pessoas sem qualquer treinamento médico.

Contudo, convencido que a morte de Noturno tem algo de místico, o Professor Xavier pede ajuda ao Dr. Estranho, que por acaso ocorria de estar passando ali pela vizinhança e assim consegue chegar rapidamente.

Vou começar a responder as pessoas assim também. “Lionel, você é advogado?” “Eu era. Eu sou. Mas também sou… vice-campeão laurofreitense de totó“
Vou começar a responder as pessoas assim também. “Lionel, você é advogado?” “Eu era. Eu sou. Mas também sou… vice-campeão laurofreitense de totó

Após examinar o X-Man, Dr. Estranho conclui que o diagnóstico dado por dois completos amadores na medicina estava surpreendentemente incorreto, pois Noturno está vivo, ainda que num estado de animação suspensa pois sua alma foi separada do corpo.

Porém, logo depois de finalmente ouvirmos a opinião de alguém com algum conhecimento médico, a enfermaria da Escola Xavier é invadida por uma entidade que se apresenta como “Margali dos Ventos Uivantes“, que ataca Dr. Estranho, Tempestade, Wolverine e Colossus e os leva para a dimensão onde a alma de Noturno está aprisionada.

Colossus, se você é atacado por um demônio do mundo inferior e alguém precisa te lembrar de usar seus poderes, talvez a vida de herói não seja a sua. Fica a dica.
Colossus, se você é atacado por um demônio do mundo inferior e alguém precisa te lembrar de usar seus poderes, talvez a carreira de herói não seja a sua. Fica a dica.

Essa dimensão nada mais é do que uma forma pouco sutil do roteirista Chris Claremont nos mostrar que leu A Divina Comédia, jogando os X-Men num Inferno de Dante com menos rimas e celebridades italianas do Século XIV:

ANEMA6

Mas, numa boa, não consigo compreender o espanto do Dr. Estranho. Quero dizer, eu provavelmente ficaria bem assustado se fosse teletransportado para uma dimensão infernal imaginada por um escritor da idade média, mas sou apenas um barnabé soteropolitano. Stephen Strange é o mago supremo da Terra, esse tipo de coisa é só mais uma terça-feira para ele.

De minha parte, acho que ele deveria ficar bem mais admirado com o fato de os X-Men irem a uma festa de aniversário com uniformes por baixo das roupas comuns:

ANEMA7
Como diabos se faz para encaixar uma bota por baixo de outro sapato?

Finalmente, os mutantes são recebidos pelo guardião do portão do inferno, Minós, que explica que Noturno deve ser castigado por infringir as leis morais, sem contudo explicitar quais são os seus pecados.

A menos que esquecer do próprio poder de teletransporte seja ofensa a alguma lei moral
A menos que esquecer do próprio poder de teletransporte seja ofensa a alguma lei moral

Noturno é enviado por Minós ao Segundo Círculo do Inferno, destinado aos pecadores que sucumbem à luxúria e prazeres da carne — e é lógico que eu sei disso graças à minha vasta cultura, e não porque acabei de olhar na Wikipedia [citation needed].

Tempestade consegue salvar Noturno, mas acaba ela mesma indo parar nas profundezas do inferno, de modo que os outros têm que ir ao seu resgate — obviamente passando por vários círculos para que o roteirista possa desfilar seus conhecimentos literários pré-Google.

ANEMA9
Ao mesmo tempo em que Dr. Estranho mostra ser capaz de inserir parênteses dentro de sua fala

Finalmente, os X-Men e Dr. Estranho salvam Tempestade e chegam ao final das profundezas infernais, que na verdade não passam de uma dimensão criada por Margali para punir Noturno, seu filho adotivo, pelo suposto assassinato do próprio irmão. Parece-me um pouco exagerado criar uma réplica em tamanho real do inferno para castigar uma única pessoa, mas talvez ela tenha cansado de esperar na fila do Ministério Público.

Quem intercede a favor de Noturno é sua também irmã adotiva Jimaine, que tenta explicar o mal entendido à mãe, mas acaba sendo transformada por ela em uma estátua de gelo.

É bom lembrar que essa história se passa antes da criação da lei da palmada
É bom lembrar que essa história se passa antes da criação da lei da palmada

Mesmo assim, toda a história consegue ser esclarecida e Kurt é perdoado por uma tecnicalidade jurídica (lembre-se que eles estão no inferno, tem muito advogado por lá), sendo devolvido à escola Xavier junto com os outros X-Men, Dr. Estranho e Jimaine.

E aí as coisas ficam realmente estranhas (até aqui, tudo normal), porque a irmã do mutante revela ter passado os últimos meses disfarçada como sua amante:

Jimaine é da escola Clark Kent de disfarces; um tubo na cabeça e um decote generoso enganam todo mundo
Jimaine é da escola Clark Kent de disfarces; um tubo na cabeça e um decote generoso enganam todo mundo

Noturno é basicamente um hipster do incesto, já pegava a própria irmã muito antes de Jaime e Cersei Lannister criarem a modinha.

Se bem que não dá para culpá-lo, não é? É mais ou menos a situação Luke Skywalker, ele não fazia ideia que estava pegando a própria irmã, coitado. Tenho certeza que agora, estando cientes disso, os dois vão fazer a coisa certa e dar um fim a essa relação incestuosa.

ANEMA12

Ou talvez não.

9 thoughts on “A Nostalgia Era Melhor Antigamente: O Inferno de Noturno”

  1. velho, parabéns. Espetacular. Rindo demais.

    Acho inclusive que essa história deveria ser reescrita com comentários do “leitor”, que no caso seria você Lionel hahahaa

  2. Cara, essa análise foi sensacional! kkkk Parabéns, eu ri muito! Tô louco pra saber qual outra história será vítima dessa “análise ferrenha e esmiuçada da obra” kkkk

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *